Tag: Ética Na Comunicação Científica

Como redigir um parecer acadêmico? [Publicado originalmente no blog da DADOS em julho/2019]

O objetivo deste post é expor, em linhas gerais, o que um/a parecerista deve considerar antes de redigir uma avaliação. Nele, discutimos questões como a importância de se redigir pareceres, os tipos de parecer possíveis, o que fazer ao detectar algum conflito de interesses etc. Read More →

Piratas da literatura médica – estudo bibliométrico mundial

Um grande volume de literatura médica está sendo baixado ilegalmente em quase todos os países do mundo. Existe uma relação significativa entre a produção científica desses países e a densidade de downloads ilegais, principalmente em países de renda média. Esta desigualdade no acesso legal à literatura médica requer a atenção da indústria editorial e dos formuladores de políticas públicas. Read More →

Saiba tudo sobre o GT Portais Institucionais de Periódicos e a transição para Ciência Aberta que rolou na Reunião da Rede SciELO [Publicado originalmente no blog do Periódicos de Minas em outubro/2018]

A Reunião da Rede SciELO aconteceu em setembro de 2018, ano em que o SciELO completa 20 anos. Na ocasião, oito grupos de trabalho se reuniram para discutir temas relacionados aos periódicos científicos. O Grupo de Trabalho 7 discutiu sobre os Portais Institucionais de Periódicos e a transição para Ciência aberta. Confira como foi a experiência do GT. Read More →

Todos os periódicos devem ter uma política que defina a autoria – aqui está o que incluir [Publicado originalmente no blog LSE Impact of Social Sciences em Janeiro/2018]

Artigos de pesquisa científica com grande número de autores tornaram-se mais comuns, aumentando a probabilidade de disputas de autoria. Danielle Padula, Theresa Somerville e Ben Mudrak enfatizam a importância de os periódicos definirem e comunicarem claramente os critérios de autoria aos pesquisadores. Além de ter uma política de inclusão, os periódicos também devem indicar práticas antiéticas de autoria, esclarecer a ordem dos autores em um estágio inicial, considerar o reconhecimento de contribuição e encaminhar quaisquer disputas que surjam para as instituições dos autores. Read More →

Interface ciência-público em tempos de correção da literatura científica: Questões éticas contemporâneas

O processo de correção da literatura científica torna-se cada vez mais acelerado e reflete, dentre vários fatores, um maior escrutínio das editoras científicas. Diferente do que acontecia há cerca de duas décadas, quando a retratação de um artigo era rara, hoje ela vem se integrando à cultura editorial. Nesse contexto, a forma com que esse processo de correção se articula com o fluxo de notícias sobre ciência merece atenção. Na interface ciência-público, as retratações ampliam os espaços para fortalecer a compreensão pública sobre a ciência e seus mecanismos de autorregulação. Como ampliar esse espaço é uma das discussões éticas do nosso tempo. Read More →

Livros em acesso aberto são mais baixados, citados e mencionados do que livros não em acesso aberto [Publicado originalmente no blog LSE Impact of Social Sciences em Novembro/2017]

Foi observado que artigos de periódicos em acesso aberto, até certo ponto, são mais baixados e citados do que artigos que não são AA. Mas seria o mesmo válido para livros? Carrie Calder relata pesquisas recentes sobre como o acesso aberto afeta o uso de livros acadêmicos, incluindo os achados de que os livros AA são, em média, baixados sete vezes mais, citados 50% mais e mencionados on-line dez vezes mais. Uma série de entrevistas revelam que os autores estão optando por rotas de acesso aberto para publicar seus livros não apenas em favor de divulgação mais ampla e acesso fácil, mas também por razões éticas. Read More →

Uma solução estatística para a crise de replicação na ciência [Publicado originalmente no The Conversation em Outubro/2017]

Como devemos avaliar as alegações iniciais de uma descoberta científica? Eis aqui uma nova ideia: Somente os valores-p inferiores a 0,005 devem ser considerados estatisticamente significativos. Os valores-p entre 0,005 e 0,05 devem ser chamados de sugestivos, porém a significância estatística não deve servir como um limite padrão para publicação. Read More →

Nós temos a tecnologia para salvar a avaliação por pares – agora compete às nossas comunidades implementá-las [Publicado originalmente no blog LSE Impact of Social Sciences em Setembro/2017]

Houve uma explosão em inovação e experimentação na revisão por pares nos últimos cinco anos. Enquanto o ideal da revisão por pares ainda seja necessário, é a sua implementação, e a falta atual de qualquer alternativa viável, que deve procurar melhorar, com base em três características fundamentais que sustentam qualquer sistema viável de revisão por pares: controle de qualidade e moderação, incentivos de desempenho e engajamento, e certificação e reputação. Read More →

Como será a avaliação por pares em 2030?

Apesar de a literatura científica sempre ter sido revisada antes de ser publicada, as formas atuais de revisão por pares têm somente poucas décadas de existência e já, desde o princípio, estiveram sujeitas a críticas e limitações. A revisão aberta e os servidores de preprints surgiram nos últimos anos como possíveis soluções em um mundo de comunicação crescente na pesquisa científica. Revisões abertas, inteligência artificial, revisões colaborativas e na “nuvem”… como será a avaliação por pares em 2030? Read More →

Ética editorial – outros tipos de plágio… e contando

O plágio e as fraude se multiplicam em variadas formas. Recentemente têm aparecido dois tipos menos frequentes – o plágio acidental e o plágio pelos pareceristas. De qualquer maneira, o plágio é uma violação ética que erode a confiança do público e que temos que impedir. Read More →

O papel dos editores na avaliação por pares: como identificar maus pareceristas

Um modelo teórico de avaliação por pares avalia os efeitos que pareceristas de conduta antiética tem na aprovação e rejeição de artigos e como os editores de periódicos podem mitigar este comportamento. O que está em jogo é a confiabilidade, transparência e eficiência da avaliação por pares pré-publicação. Read More →

Avaliação sobre a reprodutibilidade de resultados de pesquisa traz mais perguntas que respostas

A iniciativa Reproducibility Project: Cancer Biology que tem por objetivo verificar a reprodutibilidade em pesquisa pré-clinica na área de oncologia foi lançada em 2013 como resultado da colaboração do Center for Open Science e a Science Exchange. Os primeiros resultados dos estudos de replicação acabam de ser publicados, porém sua interpretação requer uma abordagem cuidadosa. Read More →

Sobre a rejeição imediata de manuscritos sem pareceres externos

Nem todos os textos recebidos pelas revistas científicas são enviados para avaliação externa. O processo de arbitragem no sistema duplo cego implica em um passivo elevado para editores e pareceristas, e o ônus desse processo acaba se exprimindo nos longos prazos do processo de avaliação, com efeitos diretos sobre autores (que esperam muito tempo para ter um veredicto) e sobre os leitores (que podem ter acesso a dados defasados). Nós aproveitamos alguns dados sobre o nosso desempenho na Revista de Sociologia e Política para refletir sobre as vantagens e os prejuízos de rejeitar artigos originais com base em análise preliminar pelos editores (avaliação em desk review), sem pareceres emitidos por revisores externos ao comitê editorial. Read More →

Eventos da Associação Brasileira de Editores Científicos (ABEC) mostram evolução da profissionalização de periódicos científicos do Brasil

Eventos para profissionais de editoração científica promovidos pela ABEC em junho de 2016 indicam que diversos periódicos nacionais estão evoluindo e profissionalizando-se. As discussões nos eventos permitem a troca de experiências e o networking entre profissionais da área. Read More →

Acesso aberto revisado: critérios mais rígidos preservam a credibilidade

O mais completo índice de periódicos de acesso aberto, Directory of Open Access Journals (DOAJ), anuncia a revisão de seus critérios de inclusão, tendo em vista as alegações da presença de periódicos predatórios. Esta reestruturação fará com que mais de 3 mil periódicos sejam retirados da base. O DOAJ, além de atuar em prol do acesso aberto, criou em colaboração com o COPE, OASPA e WAME um código de princípios e boas práticas em publicação científica. Read More →