Author: Ernesto Spinak

Colaborador do SciELO, engenheiro de Sistemas e licenciado en Biblioteconomia, com diploma de Estudos Avançados pela Universitat Oberta de Catalunya e Mestre em “Sociedad de la Información" pela Universidad Oberta de Catalunya, Barcelona – Espanha. Atualmente tem uma empresa de consultoria que atende a 14 instituições do governo e universidades do Uruguai com projetos de informação.

Acelerando o Plano S: acordos de acesso aberto com publishers pequenos

Os acordos de Acesso Aberto (AA) entre consórcios, bibliotecas e publishers independentes de pequeno porte são cada vez mais utilizados em todo o mundo, refletido no número crescente de artigos AA publicados. Um informe recente da Association of Learned & Professional Society Publishers (ALPSP), do qual o SciELO faz parte, mostra os avanços que estão sendo feitos em outras regiões do mundo. Por outro lado, a América Latina, pioneira em periódicos de AA, não sofre com estas limitações, mas para pequeno publishers em muitos países ainda há um longo caminho a percorrer. Read More →

Conteúdo antecipado e a nova política do Fator de Impacto da Web of Science

Recentemente, o Journal Citation Reports incorporou os documentos de acesso antecipado (early reports) à indexação, por isso, os fatores de impacto estão sendo modificados. Esta nova metodologia de cálculo terá efeitos de reordenamento dos rankings de periódicos, com implicações importantes na sua avaliação acadêmica. Surgiram questionamentos e críticas. Read More →

Integração de bases de dados nacionais acadêmicas na Europa

A necessidade de uma infraestrutura abrangente para publicações acadêmicas está na agenda da União Europeia há muito tempo. Em particular, a política de ciência aberta da Comissão Europeia destaca a necessidade de uma boa base de dados para monitorizar as publicações de acesso aberto na Europa. No entanto, ainda faltam muitas publicações para contar com uma infraestrutura de informação abrangente sobre pesquisa aberta. Nos últimos 10 anos, os países europeus investiram significativamente em infraestruturas nacionais, e agora, pelo menos 20 países europeus têm uma base de dados nacional para pesquisa de metadados de publicação aberta. No entanto, elas ainda não estão integradas nem são amplamente utilizadas para comparações entre países. Read More →

Aviso aos navegantes – os tempos estão mudando

Acesso aberto… e tudo mais. Finalmente, o que aconteceu há 20 anos parecia uma utopia de piratas de direitos autorais, está se tornando irreversível, como um tsunami. Publishers e informação científica não podem ignorar o tema do acesso aberto, para que possam competir e não fiquem fora desse mercado. As coisas estão mudando e não há volta. Read More →

O que pensam os pesquisadores do ambiente cultural em que trabalham?

Políticas, incentivos, processos de avaliação, abordagens de liderança… estão prejudicando a pesquisa científica? Uma pesquisa quantitativa online com mais de 4.200 pesquisadores, realizada pela fundação Wellcome Trust do Reino Unido, parece mostrar evidências claras de que existem problemas generalizados na cultura da pesquisa. Quem financia, publica, avalia ou conduz pesquisas agora pode usar estas evidências como ponto de partida para implementar soluções. Porém, estes problemas de gestão humana com o pessoal de pesquisa científica são diferentes dos de outros campos de atividade, sejam eles de trabalho ou esportes? Read More →

Google Acadêmico, Web of Science ou Scopus, qual nos dá melhor cobertura de indexação?

Uma análise recente da cobertura de indexação das bases de dados Google Acadêmico, Web of Science e Scopus mostra que valores mais altos nem sempre significam maior qualidade ou melhor indexação, uma vez que a inclusão de mais documentos de menor qualidade ou impacto pode refletir em outras facetas da análise e, dependendo do tipo de avaliação, deve ser necessário eliminar certos tipos de documentos da contagem de citações. Read More →

A especialidade dos Bibliotecários de Dados na Ciência Aberta

A especialidade profissional dos Bibliotecários de Dados (“data librarians”) deverá florescer rapidamente com o avanço da Ciência Aberta. Trata-se de uma inovação, uma necessidade e uma oportunidade para os países da Rede SciELO gerar novas áreas de trabalho para profissionais da informação científica, como parte do alinhamento da pesquisa com as práticas da ciência aberta. Read More →

Acelerando a comunicação científica via preprints

Existem mais de 60 servidores de preprints em todo o mundo. Parece ser uma tendência, porém o modelo ainda apresenta problemas e questões não resolvidas, tanto em termos de preservação digital quanto de financiamento e colaboração de suas soluções tecnológicas. Seria importante para as agências de financiamento descobrir como apoiar estas propostas. Read More →

O que é o Plano U: acesso universal à pesquisa científica via preprints?

O Plano U propõe que as agências de fomento requeiram que os beneficiários de auxílio à pesquisa publiquem comunicações científicas em servidores de preprints, independentemente das formas alternativas de publicação que os pesquisadores possam fazer subsequentemente. A iniciativa poderia ser realizada com uma fração dos custos atuais e produziria uma aceleração significativa no ritmo das descobertas nos próximos anos. Read More →

Periódicos que aumentaram o valor da APC receberam mais artigos

Uma das contribuições esperadas do Acesso Aberto (AA) foi resolver o aumento excessivo dos preços das assinaturas de periódicos científicos. Apesar disso, um dos principais modelos de negócio para a publicação de periódicos comerciais é cobrar dos autores uma taxa de publicação conhecida em inglês como Article Processing Charge (APC). Essa taxa, nos últimos cinco anos, vem subindo mais que a inflação. No entanto, contraintuitivamente, parece que os autores estão longe de reduzir suas submissões por causa do aumento nos valores de APC, estas submissões estão aumentando, e quanto mais cara a APC é, mais propostas os periódicos recebem. Read More →

De pareceristas estrela a pareceristas fantasmas – Parte II

Avaliações abertas e o surgimento de plataformas como Publons, que publicam estas atividades e as integram em outras tarefas acadêmicas, abrem a possibilidade do surgimento de um novo aspecto da bibliometria e, certamente, um novo e prestigioso mercado. Read More →

De pareceristas estrela a pareceristas fantasmas – Parte I

A avaliação por pares (peer review) é parte integrante da publicação científica e é realizada globalmente pela maioria dos pesquisadores de países desenvolvidos. Até que ponto pesquisadores de países emergentes participam e quais medidas de seu desempenho são relatadas no resultado da maior pesquisa sobre avaliação por pares realizada até o momento. Esta nota é a primeira de duas sobre o tema. Read More →

Inovações na Publicação Científica: o Futuro dos Periódicos e da Avaliação por Pares

No primeiro dia da Semana SciELO 20 Anos, durante o GT5 – Inovações na Publicação Científica e o Futuro dos Periódicos e da Avaliação por Pares, se discutiu durante todo o dia, perante uma audiência de mais de 50 pessoas e as apresentações de seis especialistas, as novas metodologias para a abertura do processo de publicação utilizando servidores de preprints. Texto disponível somente em espanhol. Read More →

Piratas da literatura médica – estudo bibliométrico mundial

Um grande volume de literatura médica está sendo baixado ilegalmente em quase todos os países do mundo. Existe uma relação significativa entre a produção científica desses países e a densidade de downloads ilegais, principalmente em países de renda média. Esta desigualdade no acesso legal à literatura médica requer a atenção da indústria editorial e dos formuladores de políticas públicas. Read More →

Administração dos dados de pesquisa no CNRS da França

O trabalho comentado apresenta os resultados de uma pesquisa nacional do CNRS (Centre National de la Recherche Scientifique) que foi respondida por 432 diretores de laboratórios públicos de pesquisa na França sobre as opiniões e o comportamento de cientistas experientes em relação à administração de dados de pesquisa (research data management, RDM). Read More →