Author: Ernesto Spinak

Colaborador do SciELO, engenheiro de Sistemas e licenciado en Biblioteconomia, com diploma de Estudos Avançados pela Universitat Oberta de Catalunya e Mestre em “Sociedad de la Información" pela Universidad Oberta de Catalunya, Barcelona – Espanha. Atualmente tem uma empresa de consultoria que atende a 14 instituições do governo e universidades do Uruguai com projetos de informação.

O que pensam os pesquisadores espanhóis sobre Avaliação por Pares Aberta?

Em fevereiro de 2018, o Consejo Superior de Investigaciones Científicas da Espanha lançou uma pesquisa para conhecer os hábitos, preferências e opiniões de seus pesquisadores ao realizar avaliação e ser objeto de avaliação por pares em modo aberto, com o objetivo de contribuir para o debate internacional sobre a avaliação da ciência e possíveis formas de melhoria. Cinquenta e quatro por cento dos entrevistados estão satisfeitos com o sistema dominante de avaliação por pares e cinquenta por cento concordam com a abertura da identidade dos avaliadores, pois ajuda a reduzir conflitos de interesse. Read More →

A relevância dos livros na comunicação científica – o caso do SciELO Livros

Os manuscritos foram os primeiros repositórios de comunicação científica. Ao longo dos séculos e das novas tecnologias, a ciência foi comunicada por livros, por correspondências pessoais entre pesquisadores, periódicos e livros em papel até chegarmos às tecnologias eletrônicas e à Internet. Ao longo do século XX, os periódicos tornaram-se predominantes como meio de comunicação dos resultados da pesquisa, com rápida adaptação às funcionalidades oferecidas pelas mudanças tecnológicas. Na Reunião da Rede SciELO da Semana SciELO 20 Anos, um grupo de trabalho analisará e discutirá a relevância dos livros na comunicação científica, com foco no progresso das editoras de livros acadêmicos e, mais especificamente, no Programa SciELO Livros. Read More →

Revisão por pares – sobre as estruturas e os conteúdos

A revisão por pares é uma parte constitutiva da comunicação científica. Suas modalidades são variadas: simples cego, duplo cego, abertas e, agora também, as revisões parciais. A revisão parcial, que apenas valida a solidez técnica do documento, é uma característica dos mega-journals de acesso aberto como PLoS ONE e vários outros. Read More →

Sobre as vinte e duas definições de revisão por pares aberta… e mais

A Revisão por Pares Aberta é uma das pedras fundamentais da agenda da Ciência Aberta (Open Science), ao lado do Acesso Aberto, Dados Abertos e as Revisões Abertas (Open Access, Open Data and Open Peer Review). Entretanto, a proposta produz diferentes reações e atitudes entre editores, autores, pareceristas e publishers e isso se soma às iniciativas dos servidores de preprints. Read More →

Como será a avaliação por pares em 2030?

Apesar de a literatura científica sempre ter sido revisada antes de ser publicada, as formas atuais de revisão por pares têm somente poucas décadas de existência e já, desde o princípio, estiveram sujeitas a críticas e limitações. A revisão aberta e os servidores de preprints surgiram nos últimos anos como possíveis soluções em um mundo de comunicação crescente na pesquisa científica. Revisões abertas, inteligência artificial, revisões colaborativas e na “nuvem”… como será a avaliação por pares em 2030? Read More →

Ética editorial – outros tipos de plágio… e contando

O plágio e as fraude se multiplicam em variadas formas. Recentemente têm aparecido dois tipos menos frequentes – o plágio acidental e o plágio pelos pareceristas. De qualquer maneira, o plágio é uma violação ética que erode a confiança do público e que temos que impedir. Read More →

Como encontrar artigos em acesso aberto – dicas do meu nerd favorito

A comunicação acadêmica disponível online, seja em periódicos ou em repositórios, soma milhões e esta cifra cresce a cada ano. De quais ferramentas eficientes, via navegadores, dispõem os pesquisadores, bibliotecários, estudantes e outros para localizar as versões em acesso aberto dos trabalhos que lhes interessam? Read More →

Estamos no Radar do GSM?

O Google Scholar Metrics (GSM) oferece métricas alternativas ao Fator de Impacto JCR e ao SJR, a saber, o índice h-5. Para ingressar neste ranking mundial que cobre mais de 40.000 periódicos é necessário somente publicar uma média de 20 artigos por ano e ser citado. Entretanto, existem centenas de periódicos (nossos periódicos) que não estão sendo indexados no GSM. Estão fora do Radar. Read More →

Eu escrevi isso… eu não escrevi isso… agora escrevo outra coisa…

O sistema emergente da comunicação científica online incorpora um enfoque tecnológico e ideologicamente diferente do tradicional, onde os artigos surgem inicialmente como versões em preprints e vão sendo modificados até chegar à versão final. Em caso de erros, estas mesmas tecnologias dão oportunidades eficientes para realizar correções parciais, totais e inclusive retratações, associando ao caminho de um documento a história de suas versões. É hora, portanto, de estabelecer metodologias que permitam obter o máximo de informação mais atualizada para apoiar os empreendimentos científicos. Read More →

In memoriam: Eugene Garfield – 1925-2017

O pai da Cienciometria faleceu aos 91 anos em 27 de fevereiro de 2017, deixando uma produção de mais de 1.000 trabalhos e comunicações ao longo de 60 anos de pesquisa. Read More →

O que é este tema dos preprints?

Os preprints permitem a comunicação científica de forma mais rápida, complementam a publicação tradicional nos periódicos acadêmicos e determinam as prioridades. Este procedimento poderá mudar o sistema de arbitragem e enfocar o papel desempenhado pelos periódicos acadêmicos. Read More →

Livros eletrônicos – mercado global e tendências – Parte III – Final: A publicação do livro impresso e digital no contexto mundial

O informe Global de livros eletrônicos mostra que o modelo tradicional baseado nas grandes casas editoriais foi insuficiente para incorporar as possibilidades dos avanços tecnológicos. Por um lado, os novos modelos de leitura através de smartphones e usando plataformas de assinatura, e por outro lado a publicação de ebooks por conta própria abre oportunidades tanto aos autores individuais como às organizações sem fins lucrativas na área educativa, para produzir e distribuir suas próprias obras a baixo custo e requerimentos mínimos de infraestrutura. Read More →

Livros eletrônicos – mercado global e tendências – Parte II: A publicação do livro impresso e digital no contexto mundial

O informe Global de livros eletrônicos (ebook) mostra que depois de vários anos de crescimento, as empresas comerciais encontram um mercado desacelerado, onde surgem com força duas linhas de ação: (a) a digitalização de livros educativos; e (b) os empreendimentos individuais de publicação de livros. Neste mercado se destacam as iniciativas dos “quatro cavaleiros” que dão forma à ecologia digital, integrados por Amazon, Apple, Google e Facebook. Read More →

Livros eletrônicos – mercado global e tendências – Parte I: A publicação – impressa e digital – no contexto mundial

Nos últimos anos vem surgindo uma indústria mundial de livros eletrônicos (ebooks) com grande força no mercado no idioma inglês e notável força nos Estados Unidos. Existem indicadores que mostram uma corrida da indústria dos editores tradicionais até atores globais como a Amazon e instâncias não tradicionais como os autores que publicam individualmente, de forma independente. Um informe recente publicado em abril deste ano, dividido em quatro grandes seções, apresenta de forma detalhada estatísticas de produção e mercado de ebooks das empresas grandes e médias em todo o mundo, quais são os debates e fatores chaves que estão dando forma ao mercado legal e pirata, e agrega uma seção de “páginas amarelas” com mais de 350 companhias dedicadas a diversos serviços e componentes na cadeia de edição eletrônica de livros. Read More →

Seu artigo terá mais citações se publicado em Acesso Aberto?

Há alguma relação positiva entre o acesso aberto e a quantidade de citações? No ano passado a Academia.edu anunciou em seu Website que as citações aos trabalhos em seu repositório poderiam aumentar em percentagens muito maiores que outros repositórios. Verdade ou exagero? Read More →