Tag: Ciência Aberta

Preprints SciELO podem ser encontrados no Europe PMC [Publicado originalmente no blog do Europe PMC em março/2022]

Os preprints SciELO estão agora indexados e podem ser encontrados no Europe PMC. Mais de 1.000 preprints SciELO podem ser localizados no Europe PMC em seu idioma original (português, espanhol ou inglês). Um resultado importante desta colaboração é o impulso para mudanças na infraestrutura acadêmica para lidar melhor com o conteúdo multilíngue. Read More →

Open Code Community: uma plataforma aberta para compartilhamento de códigos de pesquisa

O compartilhamento de códigos de pesquisa é uma realidade entre membros da comunidade científica. Porém, tal compartilhamento geralmente se restringe a integrantes da própria academia. Eis que surge o projeto Open Code Community, que busca integrar participantes da academia e do mercado no compartilhamento de códigos de pesquisa. Read More →

Ciência Aberta: compartilhamento e transparência na pesquisa e sua divulgação

O conceito de “ciência aberta” tem circulado bastante na área acadêmica, mas nem sempre bem aceito ou compreendido. Seria o livre acesso a artigos científicos? Uma ciência democrática, para todos? Ao aderir aos procedimentos da ciência aberta, Bakhtiniana destaca as novas possibilidades de diálogo entre ciência e sociedade. Read More →

Relatório da pesquisa sobre prioridades da comunidade OJS [Publicado originalmente no site do PKP]

O Comitê Técnico do PKP completou a sua primeira pesquisa com membros da comunidade, com o objetivo de entender melhor quais os recursos que gerentes e editores do OJS achariam mais relevantes para seu trabalho. Nós distribuímos a amplamente a pesquisa e ficamos contentes com a resposta entusiasmada, que resultou em mais de 524 respostas enviadas. Read More →

A ANPOCS, seus Encontros Nacionais e a Ciência Aberta

A ANPOCS tem promovido debates com editores sobre a sustentabilidade financeira dos periódicos das ciências sociais assim como sobre transformações e inovações no mundo da editoração científica e na comunicação pública das ciências, particularmente àquelas relacionadas a Ciência Aberta. Para o próximo Encontro Anual (out/22), o objetivo é fortalecer acadêmica e politicamente o periodismo científico da área e incentivar práticas que conectem a produção científica, os debates nos congressos, os repositórios e servidores de preprint e os periódicos. Read More →

A Impossibilidade da Ciência Aberta sem Alteridade e Pluralidade Epistêmica [Publicado originalmente no editorial do vol. 26 no. 2 na Revista de Administração Contemporânea]

O [objetivo deste] texto é apresentar um contraponto ao viés positivista que vem dominando o debate sobre ciência aberta e, assim, evidenciar alguns problemas e abrir espaço para um olhar mais plural e inclusivo sobre o assunto. Read More →

Post convidado – Construindo um caminho mais fácil para a publicação de livros em acesso aberto: Apoio para autores [Publicado originalmente no Scholarly Kitchen em março/2021]

Christina Emery apresenta uma visão geral atualizada do panorama dos livros em acesso aberto e examina os desafios da publicação de livros em acesso aberto de acordo com o feedback de autores e pesquisadores, além do suporte disponível para eles. Read More →

Preprints otimizam a comunicação da pesquisa [Publicado originalmente no editorial do vol. 20 no. 4 da Revista Habanera de Ciencias Médicas]

A modalidade dos preprints vem se afirmando como passo inicial de comunicação de pesquisas após 50 anos da sua concepção no NIH dos EUA e do início da operação do servidor arXiv. Trata-se de um enriquecimento do modelo clássico de comunicação científica no qual manuscritos inéditos são submetidos a periódicos para avaliação por pares. Os periódicos têm, entre outras, a função crítica de validação das pesquisas. Os preprints são disponibilizados antes dessa validação como meio de acelerar a comunicação dos resultados das pesquisas e aperfeiçoar os manuscritos antes do envio para sua validação para um periódico. O uso de preprints é identificado como uma das práticas de ciência aberta. Read More →

O periódico Educação em Revista avalia somente preprints no modelo “publicar, depois revisar”

O periódico Educação em Revista avança no alinhamento com Ciência Aberta ao adotar o modelo de “publicar, depois revisar” (“publish, then review“) e somente aceita avaliar manuscritos já moderados e disponibilizados no SciELO Preprints. Em entrevista ao SciELO em Perspectiva seus editores falam sobre a inovação. Read More →

Acelerando o Plano S: acordos de acesso aberto com publishers pequenos

Os acordos de Acesso Aberto (AA) entre consórcios, bibliotecas e publishers independentes de pequeno porte são cada vez mais utilizados em todo o mundo, refletido no número crescente de artigos AA publicados. Um informe recente da Association of Learned & Professional Society Publishers (ALPSP), do qual o SciELO faz parte, mostra os avanços que estão sendo feitos em outras regiões do mundo. Por outro lado, a América Latina, pioneira em periódicos de AA, não sofre com estas limitações, mas para pequeno publishers em muitos países ainda há um longo caminho a percorrer. Read More →

O que são preprints? [Publicado originalmente no blog da DADOS em maio/2021]

O tradicional modelo de avaliação duplo-cega de artigos científicos vem sendo desafiado nas duas últimas décadas pelos chamados “servidores de preprints“. Porém, ainda existem muitas dúvidas nas Ciências Sociais sobre o que são os preprints e o que eles mudam nos tradicionais modos de avaliação e publicação científicas. Nesta mini-aula, objetivamos responder a essas questões a partir da experiência da revista DADOS. Read More →

É preciso uma aldeia global ou um resumo da NISO Plus 2021

A segunda Conferência NISO Plus foi realizada virtualmente de 22 a 25 de fevereiro. O tema deste ano foi “Conversas globais – conexões globais” com diversidade, equidade e inclusão (DEI), acessibilidade e as mudanças trazidas pela pandemia de COVID-19 sendo tópicos transversais ao longo da conferência. Este post resume (principalmente) as discussões em torno destes tópicos e como eles se relacionam com os desafios atuais da nossa comunidade. Read More →

Integração de bases de dados nacionais acadêmicas na Europa

A necessidade de uma infraestrutura abrangente para publicações acadêmicas está na agenda da União Europeia há muito tempo. Em particular, a política de ciência aberta da Comissão Europeia destaca a necessidade de uma boa base de dados para monitorizar as publicações de acesso aberto na Europa. No entanto, ainda faltam muitas publicações para contar com uma infraestrutura de informação abrangente sobre pesquisa aberta. Nos últimos 10 anos, os países europeus investiram significativamente em infraestruturas nacionais, e agora, pelo menos 20 países europeus têm uma base de dados nacional para pesquisa de metadados de publicação aberta. No entanto, elas ainda não estão integradas nem são amplamente utilizadas para comparações entre países. Read More →

Rigor científico e ciência aberta: desafios éticos e metodológicos na pesquisa qualitativa

A literatura descreve críticas recorrentes à confiabilidade da pesquisa qualitativa, que incluem alegações de pouco rigor e clareza metodológica. No sistema de publicações, vêm sendo marcantes as ações que refletem essa maior atenção ao rigor. No âmbito do financiamento da pesquisa, também são notadas iniciativas de grandes agências, como a National Science Foundation (NSF) dos Estados Unidos, para promover estratégias para aumentar o rigor e a transparência no relato de resultados da pesquisa qualitativa. Oferecemos aqui um breve panorama, permeado por transformações que incluem iniciativas crescentes sobre a ciência aberta. Exploramos algumas questões suscitadas por essa discussão atual sobre rigor científico, não só em publicações, mas também na proposição de projetos de pesquisa qualitativa. Read More →

Publishers e dados FAIR

Neste post se apresenta uma proposta aos publishers acadêmicos para incentivar e permitir que os autores tornem seus artigos – e, quando possível, os conjuntos de dados subjacentes – semanticamente inequívocos para que possam ser comunicados como dados FAIR (Findable, Accessible, Interoperable, and Reusable, ou seja, encontráveis, acessíveis, interoperáveis e reutilizáveis). A proposta é descrita em detalhes em um artigo publicado em acesso aberto, para o qual um link é fornecido no post. Read More →