Tag: Comunicação Científica

Inteligência Artificial e a comunicação da pesquisa

Aquarela de Alan Turing gerada pela IA Midjourney

Chatbots são realmente autores de artigos científicos? Podem ser legalmente responsáveis, tomar decisões éticas? O que dizem as sociedades científicas, editores de periódicos, universidades? Seus resultados podem ser incluídos em artigos científicos originais? Com base na contribuição que hoje apresentamos, publicaremos posts que tentarão responder a estas questões e às novas que surgirem. Read More →

Artigos não citados e a dispersão de citações na literatura científica

Mapa de co-citação elaborado pelos autores com o software VOSviewer.

Questionando a lei de Bradford, cuja interpretação em bibliometria reza que a maioria das citações se concentra em poucos periódicos e artigos, um estudo recente evidencia a importância dos artigos não citados e sua influência na concentração de citações. Para os autores, artigos não citados devem ser incluídos na análise para fornecer uma compreensão mais abrangente dos padrões de citação através do tempo, disciplinas e regiões geográficas. Read More →

Alguns comentários sobre avaliação por pares e preprints [Publicado originalmente no editorial do vol. 118 nas Memórias do Instituto Oswaldo Cruz]

Montagem. Foto de um data center, um corredor com máquinas que ocupam a parede e que processam sistemas de computador. Na frente, uma ilustração vetorial de um microscópio e uma cruz atrás. Um círculo trançado ao redor dos dois. Na parte superior, o logo do periódico Memórias do Instituto Oswaldo Cruz. Na parte inferior, o texto: Revisão por pares x Preprint.

Podemos dizer que a publicação científica vive hoje sob a “disrupção dos preprints”! Os editores científicos devem agora pensar em duas coisas: (i) um novo conceito de “publicação de artigos” e (ii) como avaliar adequadamente (e de forma inovadora) a contribuição que estes artigos recém-lançados podem trazer para a sociedade. Read More →

Reprodução e replicação na pesquisa científica – parte 3

Captura de tela do filme Maniac (1934), em domínio público. Um personagem olha para garrafas de vidro sobre uma bancada.

Reprodutibilidade e replicabilidade são questões centrais quando se discute a confiabilidade da pesquisa científica. A tentativa de um segundo pesquisador de replicar um estudo anterior é um esforço para determinar se a aplicação dos mesmos métodos à mesma questão científica produz resultados semelhantes. Nas ciências sociais e humanas, no entanto, não se trata dos mesmos paradigmas. Read More →

Reprodução e replicação na pesquisa científica – parte 2

Captura de tela do filme Maniac (1934), em domínio público. A câmera está fora de foco e mostra Horace B. Carpenter como o personagem "Dr. Meirschultz" atrás de um equipamento de laboratório.

Nesta segunda nota sobre o assunto, abordaremos as diretrizes propostas em 2019 pela NASEM. Analisaremos como a replicabilidade é entendida em diferentes disciplinas científicas, principalmente nas ciências experimentais, com base em um paradigma computacional. Da mesma forma, veremos opiniões de outras disciplinas relacionadas às ciências sociais e à medicina, que não participam dos mesmos paradigmas epistemológicos. Read More →

O movimento é demonstrado caminhando: comunicação e avaliação aberta em uma conferência de ciência aberta

Fotografia em preto e branco de pessoas caminhando em um pátio, com uma ilustração de rede em vermelho sobreposta.

O primeiro Congresso Ibero-Americano de Ciência Aberta aconteceu nos dias 23 e 24 de novembro de 2022 como um fórum de diálogo ibero-americano sobre o direito à ciência e para promover transformações na forma como a ciência é compreendida a partir de uma perspectiva inclusiva, aberta, participativa e responsável. Read More →

Reprodução e replicação na pesquisa científica – parte 1

Captura de tela do filme Maniac (1934), em domínio público, mostrando Horace B. Carpenter como o personagem "Dr. Meirschultz".

A replicabilidade é uma questão central quando se discute a confiabilidade da pesquisa científica que se renova na promoção da ciência aberta. A tentativa de um segundo pesquisador de replicar um estudo anterior é um esforço para determinar se a aplicação dos mesmos métodos à mesma questão científica produz resultados semelhantes. Read More →

Mapeamento da produção em análise de conteúdo no SciELO Brasil indica uma técnica que parou no tempo

Ilustração vetorial de uma tela de computador gigante. Duas pessoas pequenas cada uma de um lado da tela. Na esquerda, um homem segura uma lupa em cima da tela e amplifica a figura de um gráfico. Na direita, uma mulher sentada em uma mesa com um notebook. Na tela, diferentes tipos de gráficos. No fundo, elementos gráficos geométricos e forma de folha. Tons de salmão e roxo.

Uma revisão cientométrica sobre o uso da análise de conteúdo no SciELO-Brasil demonstrou uma notável concentração de citações do manual de Laurence Bardin, cujo uso se mantém crescente. Como a obra não teve atualizações nas últimas duas décadas, podemos dizer que o uso da técnica pode estar parado no tempo. Read More →

BVS 25 Anos: Conquistas, Desafios e Oportunidades

Logo dos 25 anos da BVS

Em 1998, a Rede Latino-Americana e do Caribe de Informação em Saúde aprovou a Declaração de San José “Hacia la Biblioteca Virtual en Salud”. Já se vão 25 Anos de desenvolvimento da BVS como modelo de gestão da informação em saúde para a AL&C. Foram muitas conquistas e desafios que se transformaram em oportunidades graças ao trabalho em rede coordenado e à disponibilidade de metodologias e sistemas comuns. Vivenciamos o avanço dos acervos digitais, armazenamento na nuvem, Ciência Aberta, dados abertos, Repositórios institucionais, softwares livres etc. Agora, a Inteligência Artificial (IA) está na nossa porta e, mais que um desafio ou ameaça, é uma oportunidade para renovação do modelo BVS e celebração pelos 25 Anos da BVS. Read More →

Reformular a avaliação por pares para torná-la sustentável

Fotografia de uma folha de papel em que está rascunhada em lápis uma lâmpada com uma interrogação dentro. Ao lado esquerdo do desenho está um lápis e uma borracha.

Um artigo publicado recentemente discute a necessidade de profunda reformulação da avaliação por pares, pois o atual modelo demonstra não ser mais sustentável. Editores de periódicos têm dificuldades para encontrar pareceristas dispostos a revisar artigos submetidos, pesquisadores discutem maior reconhecimento ou até mesmo remuneração para atuar como pareceristas. Entre as inúmeras alternativas propostas, a abertura da avaliação por pares se apresenta como a alternativa mais factível. Read More →

Como a avaliação por pares de preprints pode fazer parte de programas de doutorado e pós-doutorado

Fotografia de uma formanda vestindo uma beca, de costas.

Considerando o significativo crescimento do uso de preprints em comunicação científica, bem como o surgimento de servidores de preprints em todas as áreas do conhecimento, Richard Sever, diretor assistente do CSHL Press, propõe que a avaliação (pós-publicação) de preprints seja utilizada para complementar a formação de doutores e pós-doutores em instituições acadêmicas. Read More →

A falta de planos de sustentabilidade para serviços de preprints põe em risco o seu potencial para aprimorar a ciência [Publicado originalmente no LSE Impact Blog em março/2023]

Fotografia de um servidor de rede.

Durante a pandemia da COVID-19, os servidores de preprints se tornaram um mecanismo vital para o rápido compartilhamento e avaliação de pesquisa essencial. Contudo, ao discutir as conclusões de um recente informe, Naomi Penfold descobre que grande parte da infraestrutura de apoio à publicação não comercial de preprints é gerida precariamente e corre o risco de ser adquirida por publishers comerciais. Read More →

Embaralhe as cartas e distribua novamente

Fotografia de um sinal de visto feito de vários "X" de plástico vermelhos sobre um fundo preto.

A pesquisa deve ser bem planejada, realizada corretamente e relatada de forma clara e transparente, pois a confiabilidade dos resultados depende do rigor do desenho experimental. No entanto, nos informes publicados parece haver um descompromisso dos responsáveis por avaliar a qualidade da pesquisa. Especialistas apontaram que as atuais estruturas de incentivo nas instituições de pesquisa não incentivam suficientemente os pesquisadores a investir em solidez e transparência, ao invés, os incentivam a otimizar sua aptidão na luta por publicações e financiamentos. Na última década, estudos de replicação em larga escala mostraram que a reprodutibilidade está longe de ser favorável em vários campos científicos, e práticas de pesquisa questionáveis estão se tornando mais prevalentes. Claramente algo não está funcionando no empreendimento científico. Read More →

SciELO se une ao OA Switchboard com mais de 300 periódicos de acesso aberto na coleção SciELO Brasil

Fotografia de uma obra de arte composta por duas estruturas em forma de globo feitas e erguidas por cabos de aço. No primeiro plano, três pessoas estão ajoelhadas voltadas para onde um dos cabos está preso ao chão ao lado direto de um dos globos. Ao fundo, junto ao outro globo, duas pessoas conversam de pé.

SciELO Brasil está agora ao vivo e conectado ao OA Switchboard para apoiar a visibilidade e o acesso amplo aos periódicos SciELO. Read More →

Financiadores apoiam o uso de preprints avaliados na avaliação da pesquisa [Publicado originalmente pela eLife em dezembro/22]

Logo da eLife

Financiadores e outras organizações de pesquisa estão adotando preprints avaliados como uma forma alternativa de avaliar pesquisadores e convidam outros a fazer o mesmo. Read More →