Tag: Comunicação Científica

Os artigos dos periódicos SciELO nas plataformas de Ciência Aberta da Comissão Europeia

A plataforma tecnológica do SciELO foi atualizada no início de 2018 para permitir a integração dos artigos dos periódicos SciELO nas fontes de informação dos projetos OpenAire e OpenMinTED da Comissão Europeia. O OpenAire opera um repositório de textos e dados de pesquisa e serve de apoio aos mandatos de acesso aberto e de dados de pesquisa abertos da comunidade europeia. O projeto OpenMinTED promove o desenvolvimento de uma plataforma de mineração de textos completos e de dados de pesquisa. A participação dos artigos SciELO nestas plataformas contribuirá para ampliar a visibilidade e uso dos resultados das pesquisas que comunicam. Read More →

Blogs como forma de comunicação científica na era das redes sociais

Blogs são um excelente canal de disseminação da ciência para uma audiência mais ampla. Os blogs requerem tempo, empenho e dedicação, porém os esforços são amplamente recompensados. Associados às redes sociais permitem aos pesquisadores construir redes de contatos, atrair jovens colaboradores e estudantes e aumentar o prestígio junto às suas instituições. Read More →

Sobre as vinte e duas definições de revisão por pares aberta… e mais

A Revisão por Pares Aberta é uma das pedras fundamentais da agenda da Ciência Aberta (Open Science), ao lado do Acesso Aberto, Dados Abertos e as Revisões Abertas (Open Access, Open Data and Open Peer Review). Entretanto, a proposta produz diferentes reações e atitudes entre editores, autores, pareceristas e publishers e isso se soma às iniciativas dos servidores de preprints. Read More →

Práticas de comunicação científica na Física de Altas Energias: potencialidade dos preprints

A utilização de repositórios de preprints na Física de Altas Energias (FAE) para acelerar o processo de comunicação científica remonta a mais de meio século, incentivando a prática do autoarquivamento e do acesso aberto aos resultados de pesquisa. O relato reflete sobre a potencialidade dos preprints na comunicação científica da FAE através das iniciativas Open Access SPIRES e arXiv. O sucesso de repositórios e bancos de dados de pré-publicações na Física parece haver incentivado outras áreas para instalarem seus repositórios temáticos, favorecendo a livre circulação da informação e discussão de dados científicos. Read More →

Radiografia da publicação acadêmica em acesso aberto e seus indicadores bibliométricos

Como a publicação em acesso aberto evolui através do tempo? É verdade que artigos em acesso aberto são mais citados? O acesso aberto aumenta devido à mandatos institucionais ou de governos ou por iniciativa dos próprios autores? Para responder a estas e outras questões, a National Science Foundation dos Estados Unidos encomendou à Science-Metrix um detalhado estudo sobre a publicação acadêmica em acesso aberto, considerando a via dourada e a via verde, a influência das disciplinas e o comportamento nos países líderes em pesquisa ao longo da última década. Conheça aqui os resultados. Read More →

O sistema Qualis: a perspectiva de um periódico multidisciplinar [Publicado originalmente no editorial do vol. 89 no. 3 nos Anais da Academia Brasileira de Ciências]

O sistema Qualis de avaliação de periódicos da CAPES penaliza o desenvolvimento de periódicos multidisciplinares como os Anais da Academia Brasileira de Ciências (AABC). Presente em 39 das quase 40 áreas de avaliação, o ranking dos Anais varia do estrato A2 a B5. Quando o Qualis rebaixa o ranking dos Anais em uma determinada disciplina ocorre imediatamente uma diminuição nas submissões recebidas, afetando a evolução do periódico e a gestão editorial a médio e longo prazo. Em editorial, o editor-chefe dos AABC reivindica ações afirmativas para qualificar a pesquisa do Brasil com um periódico multidisciplinar de qualidade. Read More →

Quantidade importa na medida em que o impacto da citação aumenta com a produtividade [Publicado originalmente no blog LSE Impact of Social Sciences em Janeiro/2018]

Muitos acadêmicos são encorajados a se concentrar na qualidade e não na quantidade de suas publicações; a razão disso é que ao focar muito em produtividade, corre-se o risco de reduzir a qualidade do trabalho. Mas seria esse, de fato, o caso? Peter van den Besselaar e Ulf Sandström estudaram uma grande amostra de pesquisadores e descobriram que, embora os resultados variem de acordo com as áreas, existe uma relação positiva e mais forte que linear entre produtividade e qualidade (em termos de artigos mais citados). Este mesmo padrão parece se aplicar a instituições e a pesquisadores individuais. Read More →

Declaração de Sant Joan d’Alacant em defesa do Acesso Aberto às publicações científicas, do grupo de editores de revistas espanholas em ciências da saúde (GERECS)

Alinhado com a Plataforma Política Europeia de Ciência Aberta e outras declarações, o grupo de editores de periódicos espanhóis de ciências da saúde, no seu encontro de novembro de 2017, emitiu a Declaração de Sant Joan d’Alacant em prol do Acesso Aberto. Read More →

Os Critérios de indexação do SciELO alinham-se com a comunicação na ciência aberta

Os novos Critérios SciELO Brasil estão alinhados com as boas práticas da comunicação na ciência aberta. Passam a valer a partir de janeiro de 2018 e projetam uma nova etapa de aperfeiçoamento da comunicação científica do Brasil que deverá estender-se progressivamente para os demais países da Rede SciELO. O avanço para a ciência aberta tem como características o reposicionamento dos principais atores da comunicação científica: autores, periódicos e agências de fomento. Read More →

Sobre assinaturas e Taxas de Processamento de Artigos

Taxas de processamento de artigos (Article Processing Charges, APCs) – apesar de enfrentar críticas – têm certas vantagens em relação a assinaturas. Eles tornam possível o acesso aberto imediato, mas também permitem que outras desvantagens de assinaturas sejam evitadas, como orçamentos de páginas fixas. O que as APCs não conseguiram fazer é reduzir o fardo financeiro da comunicação científica na comunidade de pesquisa, como muitos defensores de acesso aberto haviam desejado e esperado. Uma solução pode ser encontrada – mesmo que apenas parcial – na provisão de preprints regularmente. Read More →

A (pré) história dos preprints em ciências biológicas

Alguns termos usados com certa familiaridade no presente nos dão a falsa impressão de terem sido cunhados à luz da recente tecnologia e estar indissociavelmente ligados à Internet. Repositório de preprints é um tal exemplo. Parece impossível conceber uma forma de armazenar versões preliminares de artigos científicos em um espaço que não seja virtual, que dirá compartilhá-las com o maior número possível de interessados de outra forma que não eletronicamente. Pois foi exatamente isso que ocorreu no improvável ano de 1961, quando os NIH iniciaram a circulação de preprints impressos na área de biologia a uma lista de participantes, em um experimento denominado Information Exchange Groups. Read More →

Periódicos acadêmicos com presença no Twitter são mais disseminados e recebem um maior número de citações [Publicado originalmente no blog LSE Impact of Social Sciences em Dezembro/2017]

Pesquisas anteriores mostraram que a participação ativa dos pesquisadores no Twitter pode ser uma forma poderosa de promover e disseminar resultados acadêmicos e melhorar as perspectivas de aumento de citações. Mas o mesmo é válido para a presença de periódicos acadêmicos no Twitter? José Luis Ortega examinou o papel de 350 periódicos acadêmicos, analisando como seus artigos foram twitados e citados. Read More →

Na rota da ciência aberta as Memórias do Instituto Oswaldo Cruz aceitam submissão de manuscritos preprints

As Memórias do Instituto Oswaldo Cruz abriram espaço para submissão de artigos que estejam em preprint. Essa decisão acompanha a recente iniciativa do SciELO em lançar um serviço de preprint e alinha-se ao movimento global de ciência aberta. Esse novo sistema de divulgação dos resultados da pesquisa científica romperá paradigmas e certamente mudará a forma com que a ciência é hoje medida. Representa um pequeno passo para os editores, mas um salto gigante da divulgação científica para a sociedade. Read More →

Livros em acesso aberto são mais baixados, citados e mencionados do que livros não em acesso aberto [Publicado originalmente no blog LSE Impact of Social Sciences em Novembro/2017]

Foi observado que artigos de periódicos em acesso aberto, até certo ponto, são mais baixados e citados do que artigos que não são AA. Mas seria o mesmo válido para livros? Carrie Calder relata pesquisas recentes sobre como o acesso aberto afeta o uso de livros acadêmicos, incluindo os achados de que os livros AA são, em média, baixados sete vezes mais, citados 50% mais e mencionados on-line dez vezes mais. Uma série de entrevistas revelam que os autores estão optando por rotas de acesso aberto para publicar seus livros não apenas em favor de divulgação mais ampla e acesso fácil, mas também por razões éticas. Read More →

Artigos antigos de periódicos também precisam ser abertos

Grande parte do esforço em promover o acesso aberto à artigos de periódicos acadêmicos visa o material atual, e os artigos mais antigos correm o risco de ser praticamente ignorados. Embora os artigos mais recentes geralmente representem o maior número de downloads e utilizações, os artigos mais antigos não são menos importantes para a ciência. O acesso aberto, incluindo possibilidades de reutilização, também deve ser aplicado a eles. Read More →