Os Critérios de indexação do SciELO alinham-se com a comunicação na ciência aberta

Por Abel L. Packer, Denise Peres Sales, Solange Santos, Alex Mendonça, Rogério Meneghini

Foto: SciELO.

Os Critérios, política e procedimentos para a admissão e permanência de periódicos na Coleção SciELO Brasil1 foram atualizados e passam a valer a partir de janeiro de 2018. A nova versão contempla avanços nas políticas editoriais relacionadas ao alinhamento do Programa SciELO com as boas práticas de comunicação da pesquisa na ciência aberta. A perspectiva de é reforçar a contribuição dos periódicos SciELO na qualificação social e científica da pesquisa brasileira2. Os critérios visam ampliar a transparência, completeza, velocidade e interoperabilidade na comunicação das pesquisas. Temas amplamente discutidos em dois painéis da VII Reunião Anual do SciELO3, ambos com a participação ativa de editores de periódicos indexados no SciELO. O primeiro focou no estado atual e futuro do SciELO e o segundo centrou-se no alinhamento do SciELO com a ciência aberta.

Painel sobre as dimensões de impacto dos periódicos do SciELO Brasil
Maria José Tonelli
Coordenadora
Paula Beatriz de
Araujo
Paulo Cesar
Sentelhas
Rodrigo Firmino

 

Painel sobre o alinhamento do SciELO com a Ciência Aberta
Marta Teresa da
Silva Arretche
Coordenadora
Claude Pirmez Luciene Stamato
Delazari
Moisés Goldbaum

 

Os avanços nos Critérios SciELO Brasil, discutidos na VII Reunião Anual e aqui sintetizados contemplam a adoção das seguintes políticas e práticas editoriais:

  • ORCID como identificador único dos autores

O ORCID (Open Researcher and Contributor ID, em português “ID Aberto de Pesquisador e Contribuidor”) é um identificador único de pesquisadores e deverá ser parte integral da afiliação institucional dos autores. A partir de 2019 a presença do ORCID na afiliação dos autores será obrigatória. Entretanto, os periódicos devem iniciar a coleta do número ORCID, mesmo que de modo opcional, o mais rapidamente possível com vistas a dominar o processo de registro, forma adequada de apresentação e marcação da afiliação. O ORCID contribuirá para a identificação precisa dos autores distinguindo os homônimos e maximizando as opções de interoperabilidade. O registro ORCID dos autores opera como um perfil ou currículo dos pesquisadores que agrega valor às referências bibliográficas. O website do ORCID oferece uma interface de programação de modo que o portal do SciELO estabelecerá links com os registros dos autores. Até recentemente o SciELO fazia link dos autores do Brasil com o currículo Lattes, mas o serviço não era automatizado e foi interrompido. O ORCID estenderá o link para os nomes dos autores independente do país de afiliação.A coleta do número ORCID deverá ser feita no formulário de submissão e a expectativa é que os sistemas de gestão de manuscritos validem imediatamente o identificador ingressado. O sistema ScholarOne, da Clarivate Analytics, utilizado por 48% dos periódicos SciELO Brasil, e a versão 3.0 do Open Journal Systems (OJS), do Public Knowledge Project (PKP), utilizado por 40% dos periódicos SciELO Brasil já oferecem opção de validação de ORCID.O SciELO promoverá no futuro a atribuição retroativa dos números ORCID aos autores dos artigos já publicados, sempre que for possível uma identificação precisa dos autores.

Foto: SciELO.

  • Preprints em prol da transparência, qualidade e rapidez

Seguindo a tendência internacional, o Programa SciELO adotou a modalidade de preprints como um dos principais avanços do seu alinhamento com a comunicação da pesquisa na ciência aberta. O servidor SciELO Preprints foi anunciado em fevereiro de 20174 e tem início de operação regular prevista para julho de 2018.Nesse sentido, os periódicos SciELO deverão progressivamente definir suas políticas de aceitação para avaliação de manuscritos depositados previamente em servidores preprints reconhecidos, dentre os quais está o SciELO Preprints. Para tanto, deverão explicitar esta política editorial nas instruções aos autores. A expectativa é que todos os periódicos SciELO se posicionem em relação a esta política nos próximos três anos, um período considerado suficiente para que a evolução da modalidade de preprints e sua função no fluxo de comunicação científica se consolidem para as comunidades de editores e autores, bem como as autoridades das agências de fomento.Em decisão pioneira, a editora-chefe das Memórias do Instituto Oswaldo Cruz anunciou em dezembro de 20175 que o periódico passou a aceitar a submissão de manuscritos já disponibilizados como preprints. Esta decisão vinda do periódico mais antigo e mais citado da Rede SciELO representa um notável apoio à disseminação da modalidade de preprints.Os preprints são manuscritos prontos para submissão a um periódico, mas que são depositados previamente em um servidor de preprints e disponibilizados para acesso público. Os preprints recebem um número DOI próprio atribuído pelo servidor de preprints e são disponibilizados em acesso aberto com uma licença Creative Commons definida pelos autores.

Os autores podem submeter os preprints a um periódico imediatamente após o depósito em um servidor ou esperar algum tempo durante o qual poderão fazer ajustes no preprint levando em consideração comentários e sugestões de colegas e leitores. O preprint submetido a um periódico poderá ser aceito ou não. No caso de ser aceito, o periódico atribui um novo DOI e a sua licença de acesso. Note-se que o preprint em acesso aberto poderá eventualmente ser submetido e aprovado por um periódico de acesso restrito por assinatura, ou seja, o preprint continuará em acesso aberto, mas o artigo final terá restrições de acesso impostas pelo periódico. Entretanto, a expectativa é que predominem as publicações em acesso aberto, particularmente quando o periódico é SciELO. Quando o manuscrito não for aprovado os autores podem submetê-lo a outro periódico.

A adoção de preprints contribuirá para acelerar a comunicação das pesquisas, ao mesmo tempo que assegura as correspondentes autorias de resultados de pesquisas, sejam eles descobertas, propostas ou aperfeiçoamentos de processos e avanços. Os preprints são utilizados na área de física há mais de 20 anos por meio do servidor arXiv e no último ano a adoção de preprints vem se consolidando na área de biológicas com o bioRxiv. O SciELO Preprints fará uso da plataforma Open Science Framework (OSF) do Center of Open Science (COS).

Foto: SciELO.

Um dos aspectos críticos na implantação e desenvolvimento do SciELO Preprints é o estabelecimento de mecanismos ágeis de controle de qualidade para assegurar que os textos depositados tenham caráter científico e estejam prontos para serem submetidos a um periódico. Como os preprints não passam por processo de avaliação por pares, a responsabilidade da qualidade dos textos depositados é unicamente dos autores. O cuidado na preparação dos manuscritos passa a ser essencial considerando que os preprints permanecem disponíveis para sempre com as diferentes versões geradas. Um grande volume de manuscritos de baixa qualidade são submetidos atualmente aos periódicos SciELO e rejeitados por não atender às condições mínimas para avaliação. Temos a perspectiva que, ao passar o controle da disponibilização pública dos manuscritos aos autores, haverá um cuidado dobrado na preparação e avaliação dos manuscritos, conduzindo a um aperfeiçoamento progressivo dos manuscritos depositados, que, como dito acima, podem ser melhorados após exposição a comentários antes da submissão a um periódico.

O SciELO Preprints organizará a recepção e moderação dos preprints por áreas temáticas com apoio dos editores de periódicos SciELO, particularmente na definição dos critérios para identificar os manuscritos de caráter científico aptos para submissão a um periódico.

Internacionalmente, a gestão dos preprints nos fluxos da comunicação científica, em particular, o controle de qualidade, as indexações e contagem de citações deverão ser aprimoradas nos próximos anos a medida que o uso da modalidade de preprints se generalize.

  • Referenciamento dos materiais das pesquisas em prol da transparência e reprodutibilidade

As fontes de dados, materiais, métodos e códigos de programas de computador utilizados na concepção, realização e comunicação dos projetos de pesquisas e que muitas vezes estão subjacentes nos textos dos artigos que comunicam os resultados deverão ser progressivamente explicitados e referenciados segundo normas em geral dependentes das áreas temáticas.Esta explicitação e referenciamento tem por objetivo reforçar e ampliar a transparência, reprodutibilidade, visibilidade e interoperabilidade das pesquisas. Para tanto, o Programa SciELO adotou as Diretrizes Transparency and Openness Promotion (TOP)6 do COS, que estabelecem oito critérios que orientam como os artigos devem informar sobre o nível de abertura, transparência, e reprodubilidade das pesquisas que comunicam. Cada um dos oito critérios pode ser implantado progressiva e modularmente em três níveis de aplicação, começando por expor (disclose), seguido de exigir (require) e comprovar (verify). Em resumo os oito critérios e seus três níveis de implantação são os seguintes:

Foto: SciELO.

    • Normas de citação de dados, materiais, métodos e códigos de programas de computador adotadas pelo periódico e que deverão ser informadas nas instruções aos autores. Este critério amplia a adoção da norma de citação de textos para abarcar os demais componentes. O primeiro nível de implantação do critério consiste na documentação das normas nas instruções aos autores, o segundo na exigência de aplicação das normas e o terceiro, restringe a publicação aos artigos que obedecem às normas.
    • Indicação de transparência da disponibilidade dos seguintes três componentes dos projetos de pesquisa: dados, materiais de pesquisa e programas de computador. São três critérios distintos, mas que seguem processos similares de referenciamento. Os periódicos poderão adotar o mesmo ou diferentes níveis de implantação para cada critério. No primeiro nível, o artigo deve indicar se os componentes estão disponíveis e se for o caso como acessá-los, no segundo, os componentes devem estar disponibilizados em um repositório confiável com as exceções informadas no momento da submissão do manuscrito, e, no terceiro, todos os componentes devem estar acessíveis ao periódico e a publicação do artigo será condicionado à verificação da replicabilidade dos resultados.
    • Transparência do desenho da pesquisa e das análises relacionadas com os dados, materiais e códigos cuja disponibilidade e acesso foram informados nos três critérios anteriores. Este critério é altamente dependente da área temática da pesquisa. No primeiro nível de implantação, o periódico documenta sobre os padrões e diretrizes de desenho de pesquisa e análise de dados recomendadas, no segundo, os autores informam sobre a revisão e aplicação dos padrões e diretrizes, e, no terceiro, a publicação do artigo será condicionada à verificação de obediência aos padrões e diretrizes.
    • Pré-registro do estudo ou mais especificamente do plano de análise de dados que define se a pesquisa é de caráter exploratório ou confirmatório. Tratam-se de dois critérios, mas a ocorrência do segundo substitui o primeiro. O pré-registro contribui também para a identificação daquelas pesquisas que não são publicadas. No primeiro nível, o periódico especifica a sua política em relação ao registro prévio de pesquisas e/ou de planos de análise, no segundo, o autor indica na submissão o link para o registro e o periódico verifica a validade, e, terceiro, a publicação dos artigos será condicionada ao registro prévio.
    • O oitavo critério trata das condições de reprodutibilidade da pesquisa e está orientada aos periódicos. No primeiro nível, o periódico estimula a submissão de estudos de reprodutibilidade especialmente das pesquisas que publica. No segundo nível, o periódico avalia os estudos em dois momentos: a proposta e, se aprovada, o manuscrito com os resultados. No terceiro nível, se considera a publicação de relatórios prévios do estudo de reprodutibilidade.

A expectativa é que os periódicos SciELO Brasil adotem o nível 1 dos critérios até meados de 2019 e boa parte do nível 2 até o final de 2020, ou seja, um período de tempo suficiente para que os periódicos revisem suas políticas e procedimentos editoriais. O SciELO promoverá nos próximos 2 anos seminários e capacitação para a adoção do referenciamento dos materiais utilizados nas pesquisas com foco nas especificidades das áreas temáticas.

Membros do Comitê Consultivo do SciELO Brasil, 2017-2018

Uma nova etapa no desenvolvimento dos periódicos

Em muitos sentidos, os novos Critérios SciELO Brasil projetam uma nova etapa de aperfeiçoamento da comunicação científica do Brasil que deverá estender-se progressivamente para os demais países da Rede SciELO.

O avanço para a ciência aberta tem como características o reposicionamento dos principais atores da comunicação científica. Por um lado, o reposicionamento dos pesquisadores, que passam a ter mais controle sobre o processo de comunicação, assim como maior responsabilidade. Ao fazer uso dos preprints, os autores são chamados a depositar manuscritos muito bem elaborados. Ao enriquecer e complementar os manuscritos com a disponibilização e referenciamento dos materiais que fundamentam as pesquisas, os autores contribuem para melhorar sensivelmente a qualidade e condições de reprodutibilidade dos resultados que seus artigos comunicam. A disponibilização dos materiais amplia também a visibilidade das pesquisas, pois o uso dos dados e outros materiais requer a citação tanto aos materiais quanto aos artigos correspondentes. Há também novas ferramentas orientadas à edição dos manuscritos que embutem funções de revisão e editoração segundo diferentes estilos de apresentação dos textos.

Por outro lado, está o reposicionamento dos periódicos, seus editores e pareceristas que são chamados a promover e assegurar a transparência e completude da comunicação das pesquisas e exercer a função chave de orientação aos pesquisadores, inicialmente, por meio das instruções e pareceres, e, posteriormente, condicionando a avaliação dos manuscritos à obediência aos padrões de transparência. Ao aceitar a avaliação de manuscritos previamente depositados em preprints os periódicos privilegiam suas funções de validação das pesquisas e são privilegiados pelos autores pela eficiência e qualidade do processo de revisão por pares e dos serviços de disseminação e interoperabilidade com o apoio do SciELO. Ao exigir que os manuscritos venham enriquecidos com o referenciamento e a disponibilização dos materiais de pesquisa, os periódicos darão uma contribuição decisiva ao avanço da ciência aberta.

O Programa SciELO adotou há cinco anos as linhas prioritárias de ação de fortalecimento da profissionalização, internacionalização e sustentabilidade operacional e financeira, que foram aprovadas formalmente na reunião da Rede SciELO por ocasião da comemoração dos 15 anos do programa. Em setembro de 2018, por ocasião da comemoração dos 20 anos do SciELO, está prevista a atualização das linhas prioritárias de ação com a adoção das boas práticas da comunicação da ciência aberta.

Notas

1. Critérios, política e procedimentos para a admissão e a permanência de periódicos científicos a Coleção SciELO Brasil [online]. SciELO Brasil. 2017 [viewed 10 January 2018]. Available from: http://www.scielo.br/avaliacao/Criterios_SciELO_Brasil_versao_revisada_atualizada_outubro_20171206.pdf

2. PACKER, A.L. and MENEGHINI R. A vez dos periódicos de qualidade do Brasil [online]. SciELO em Perspectiva, 2017 [viewed 10 January 2018]. Available from: http://blog.scielo.org/blog/2017/11/08/a-vez-dos-periodicos-de-qualidade-do-brasil/

3. Programa [online]. VII Reunião Anual SciELO. 2017 [viewed 10 January 2018]. Available from: http://eventos.scielo.org/viireuniaoscielo/programa/

4. PACKER, A.L., SANTOS, S. and MENEGHINI, R. SciELO Preprints a caminho [online]. SciELO em Perspectiva, 2017 [viewed 10 January 2018]. Available from: http://blog.scielo.org/blog/2017/02/22/scielo-preprints-a-caminho/

5. PIRMEZ, C. Na rota da ciência aberta as Memórias do Instituto Oswaldo Cruz aceitam submissão de manuscritos preprints [online]. SciELO em Perspectiva, 2017 [viewed 10 January 2018]. Available from: http://blog.scielo.org/blog/2017/12/07/na-rota-da-ciencia-aberta-as-memorias-do-instituto-oswaldo-cruz-aceitam-submissao-de-manuscritos-preprints/

6. Guidelines for Transparency and Openness Promotion (TOP) in Journal Policies and Practices “The TOP Guidelines” [online]. OSF. 2017 [viewed 10 January 2018]. Available from: https://osf.io/dngy3/

Referências

Critérios, política e procedimentos para a admissão e a permanência de periódicos científicos a Coleção SciELO Brasil [online]. SciELO Brasil. 2017 [viewed 10 January 2018]. Available from: http://www.scielo.br/avaliacao/Criterios_SciELO_Brasil_versao_revisada_atualizada_outubro_20171206.pdf

PACKER, A.L. and MENEGHINI R. A vez dos periódicos de qualidade do Brasil [online]. SciELO em Perspectiva, 2017 [viewed 10 January 2018]. Available from: http://blog.scielo.org/blog/2017/11/08/a-vez-dos-periodicos-de-qualidade-do-brasil/

PACKER, A.L., SANTOS, S. and MENEGHINI, R. SciELO Preprints a caminho [online]. SciELO em Perspectiva, 2017 [viewed 10 January 2018]. Available from: http://blog.scielo.org/blog/2017/02/22/scielo-preprints-a-caminho/

PIRMEZ, C. Na rota da ciência aberta as Memórias do Instituto Oswaldo Cruz aceitam submissão de manuscritos preprints [online]. SciELO em Perspectiva, 2017 [viewed 10 January 2018]. Available from: http://blog.scielo.org/blog/2017/12/07/na-rota-da-ciencia-aberta-as-memorias-do-instituto-oswaldo-cruz-aceitam-submissao-de-manuscritos-preprints/

Programa [online]. VII Reunião Anual SciELO. 2017 [viewed 10 January 2018]. Available from: http://eventos.scielo.org/viireuniaoscielo/programa/

ZIEGLER, M.F. SciELO anuncia adoção de preprint em 2018. 2017 [viewed 10 January 2018]. Available from: http://agencia.fapesp.br/scielo_anuncia_adocao_de_ipreprint_i_em_2018/26896/

Links externos

BioRxiv <https://en.wikipedia.org/wiki/BioRxiv>

ORCID <https://pt.wikipedia.org/wiki/ORCID>

OSF <https://en.wikipedia.org/wiki/Center_for_Open_Science#Open_Science_Framework>

 

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

PACKER, A.L., et al. Os Critérios de indexação do SciELO alinham-se com a comunicação na ciência aberta [online]. SciELO em Perspectiva, 2018 [viewed ]. Available from: https://blog.scielo.org/blog/2018/01/10/os-criterios-de-indexacao-do-scielo-alinham-se-com-a-comunicacao-na-ciencia-aberta/

 

One Thought on “Os Critérios de indexação do SciELO alinham-se com a comunicação na ciência aberta

  1. Pingback: Boletim de Notícias: Nova York processa 5 petroleiras por aquecimento global | Direto da Ciência

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Post Navigation