Livros eletrônicos – mercado global e tendências – Parte I: A publicação – impressa e digital – no contexto mundial

Nos últimos anos vem surgindo uma indústria mundial de livros eletrônicos (ebooks) com grande força no mercado no idioma inglês e notável força nos Estados Unidos. Existem indicadores que mostram uma corrida da indústria dos editores tradicionais até atores globais como a Amazon e instâncias não tradicionais como os autores que publicam individualmente, de forma independente. Um informe recente publicado em abril deste ano, dividido em quatro grandes seções, apresenta de forma detalhada estatísticas de produção e mercado de ebooks das empresas grandes e médias em todo o mundo, quais são os debates e fatores chaves que estão dando forma ao mercado legal e pirata, e agrega uma seção de “páginas amarelas” com mais de 350 companhias dedicadas a diversos serviços e componentes na cadeia de edição eletrônica de livros. Read More →

Encontro Anual de 2016 do Council of Science Editors (CSE) destaca má conduta científica e disponibilização de dados da pesquisa

Encontro do Council of Science Editors (CSE) discute scientific misconduct e data sharing. Evento contou com a participação de editores e analistas de diversos periódicos internacionais. Especialistas debateram tendências em difusão de conhecimento por meio da disponibilização de dados e o papel da equipe editorial na prevenção e na gestão de práticas científicas inadequadas. Read More →

Zika Fast Track

zika_mioc_thumb

Como os periódicos científicos podem ajudar na resposta a emergências de saúde pública? O periódico Memórias do Instituto Oswaldo Cruz inovou, criando um fast track para manuscritos submetidos sobre o tema do Zika Vírus. O procedimento fast track permite publicar online manuscritos dentro de 24 horas após o envio, tornando os dados neles contidos disponíveis ao escrutínio do leitor e compartilhamento, enquanto passam pelo processo de avaliação por pares. O periódico já está colhendo benefícios desta abordagem. Read More →

O melhor de dois mundos

Qualidade é um conceito mal definido em relação à literatura acadêmica. Alguns aspectos de qualidade podem ser razoavelmente e objetivamente avaliados, e imediatamente, tal como a qualidade da apresentação. Mas alguns não podem ser imediatamente determinados, e precisam de tempo e “digestão” pela comunidade acadêmica, tais como a qualidade científica de um artigo. E depois, existe a qualidade do serviço que um periódico presta aos autores, de particular importância para a publicação em acesso aberto, que é financiado por taxas de processamento de artigo (Article Processing Charges). Igualmente relevante é a questão se um forte foco na qualidade e excelência é realmente benéfico ou não para a ciência. Eu forneço um link para um artigo muito interessante sobre este tema. Read More →

Acesso aberto revisado: critérios mais rígidos preservam a credibilidade

O mais completo índice de periódicos de acesso aberto, Directory of Open Access Journals (DOAJ), anuncia a revisão de seus critérios de inclusão, tendo em vista as alegações da presença de periódicos predatórios. Esta reestruturação fará com que mais de 3 mil periódicos sejam retirados da base. O DOAJ, além de atuar em prol do acesso aberto, criou em colaboração com o COPE, OASPA e WAME um código de princípios e boas práticas em publicação científica. Read More →

A busca por literatura científica: como os leitores descobrem conteúdos

Quais seriam as fontes mais utilizadas por pesquisadores e outros profissionais para buscar e acessar a literatura científica? Um estudo pormenorizado conduzido por especialistas em publicação e gestão de periódicos científicos, publicado em março de 2016, teve como objetivo responder à pergunta. Por meio de uma pesquisa com mais de 40 mil leitores em todo o mundo, foi possível aos autores traçar um vasto panorama dos hábitos de leitura dos usuários, comparando-os com resultados dos últimos dez anos. Read More →

Cresce a adoção do inglês entre os periódicos SciELO do Brasil

A adoção do inglês é um dos avanços que o SciELO vem promovendo com o objetivo de aumentar a inserção, visibilidade e impacto internacional dos periódicos e das pesquisas que comunicam. Nos últimos anos a adoção do inglês vem crescendo sistematicamente entre os periódicos SciELO que a partir de 2014 alcançaram o marco histórico de publicar mais em inglês que em português. A expectativa do SciELO é que nos próximos 2 a 3 anos 75% dos artigos serão publicados em inglês e 40 a 50% em português. Read More →

SciELO nos principais serviços de pesquisa bibliográfica

Todos os artigos de periódicos e eBooks SciELO são agora cobertos pelos principais Serviços de Pesquisa internacionais que servem para localizar e fornecer acesso à informação científica, além de oferecer às bibliotecas acadêmicas as ferramentas necessárias para suas comunidades acadêmicas, de pesquisa e de estudantes. Os Serviços de Pesquisa tem um foco específico em materiais identificados como relevantes para as comunidades acadêmicas, de pesquisa, de educação e aprendizagem. Este avanço irá contribuir para aumentar a visibilidade e a interoperabilidade dos conteúdos indexados do SciELO. Read More →

Saiu no NY Times: Biólogos se rebelam e publicam diretamente na Internet

A conferência ASAP Bio ocorrida em fevereiro no Howard Hughes Medical Institute, nos EUA, reuniu pesquisadores da área de biomedicina para debater novas formas de comunicar resultados de pesquisa utilizando preprints e revisão por pares pós-publicação. Cientistas renomados, entre eles vários agraciados com o Nobel, passaram a depositar seus artigos em repositórios de preprints de acesso aberto antes de proceder com a publicação formal em periódicos. O tema mereceu na semana passada a atenção do jornal The New York Times. Read More →

Reprodutibilidade em resultados de pesquisa: os desafios da atribuição de confiabilidade

Recentemente projetos foram desenvolvidos com o objetivo de reproduzir resultados publicados de pesquisa nas áreas de psicologia, biologia e economia para verificar sua confiabilidade. Os resultados indicaram diferentes graus de reprodutibilidade em cada área, porém serviram para alertar a comunidade científica sobre o quão frágil podem ser resultados considerados irrefutáveis e refletir sobre o papel da ciência em se autocorrigir. Read More →