Category: Análises

O sistema Qualis: a perspectiva de um periódico multidisciplinar [Publicado originalmente no editorial do vol. 89 no. 3 nos Anais da Academia Brasileira de Ciências]

O sistema Qualis de avaliação de periódicos da CAPES penaliza o desenvolvimento de periódicos multidisciplinares como os Anais da Academia Brasileira de Ciências (AABC). Presente em 39 das quase 40 áreas de avaliação, o ranking dos Anais varia do estrato A2 a B5. Quando o Qualis rebaixa o ranking dos Anais em uma determinada disciplina ocorre imediatamente uma diminuição nas submissões recebidas, afetando a evolução do periódico e a gestão editorial a médio e longo prazo. Em editorial, o editor-chefe dos AABC reivindica ações afirmativas para qualificar a pesquisa do Brasil com um periódico multidisciplinar de qualidade. Read More →

Quantidade importa na medida em que o impacto da citação aumenta com a produtividade [Publicado originalmente no blog LSE Impact of Social Sciences em Janeiro/2018]

Muitos acadêmicos são encorajados a se concentrar na qualidade e não na quantidade de suas publicações; a razão disso é que ao focar muito em produtividade, corre-se o risco de reduzir a qualidade do trabalho. Mas seria esse, de fato, o caso? Peter van den Besselaar e Ulf Sandström estudaram uma grande amostra de pesquisadores e descobriram que, embora os resultados variem de acordo com as áreas, existe uma relação positiva e mais forte que linear entre produtividade e qualidade (em termos de artigos mais citados). Este mesmo padrão parece se aplicar a instituições e a pesquisadores individuais. Read More →

Sobre assinaturas e Taxas de Processamento de Artigos

Taxas de processamento de artigos (Article Processing Charges, APCs) – apesar de enfrentar críticas – têm certas vantagens em relação a assinaturas. Eles tornam possível o acesso aberto imediato, mas também permitem que outras desvantagens de assinaturas sejam evitadas, como orçamentos de páginas fixas. O que as APCs não conseguiram fazer é reduzir o fardo financeiro da comunicação científica na comunidade de pesquisa, como muitos defensores de acesso aberto haviam desejado e esperado. Uma solução pode ser encontrada – mesmo que apenas parcial – na provisão de preprints regularmente. Read More →

A (pré) história dos preprints em ciências biológicas

Alguns termos usados com certa familiaridade no presente nos dão a falsa impressão de terem sido cunhados à luz da recente tecnologia e estar indissociavelmente ligados à Internet. Repositório de preprints é um tal exemplo. Parece impossível conceber uma forma de armazenar versões preliminares de artigos científicos em um espaço que não seja virtual, que dirá compartilhá-las com o maior número possível de interessados de outra forma que não eletronicamente. Pois foi exatamente isso que ocorreu no improvável ano de 1961, quando os NIH iniciaram a circulação de preprints impressos na área de biologia a uma lista de participantes, em um experimento denominado Information Exchange Groups. Read More →

Periódicos acadêmicos com presença no Twitter são mais disseminados e recebem um maior número de citações [Publicado originalmente no blog LSE Impact of Social Sciences em Dezembro/2017]

Pesquisas anteriores mostraram que a participação ativa dos pesquisadores no Twitter pode ser uma forma poderosa de promover e disseminar resultados acadêmicos e melhorar as perspectivas de aumento de citações. Mas o mesmo é válido para a presença de periódicos acadêmicos no Twitter? José Luis Ortega examinou o papel de 350 periódicos acadêmicos, analisando como seus artigos foram twitados e citados. Read More →

Livros em acesso aberto são mais baixados, citados e mencionados do que livros não em acesso aberto [Publicado originalmente no blog LSE Impact of Social Sciences em Novembro/2017]

Foi observado que artigos de periódicos em acesso aberto, até certo ponto, são mais baixados e citados do que artigos que não são AA. Mas seria o mesmo válido para livros? Carrie Calder relata pesquisas recentes sobre como o acesso aberto afeta o uso de livros acadêmicos, incluindo os achados de que os livros AA são, em média, baixados sete vezes mais, citados 50% mais e mencionados on-line dez vezes mais. Uma série de entrevistas revelam que os autores estão optando por rotas de acesso aberto para publicar seus livros não apenas em favor de divulgação mais ampla e acesso fácil, mas também por razões éticas. Read More →

Artigos antigos de periódicos também precisam ser abertos

Grande parte do esforço em promover o acesso aberto à artigos de periódicos acadêmicos visa o material atual, e os artigos mais antigos correm o risco de ser praticamente ignorados. Embora os artigos mais recentes geralmente representem o maior número de downloads e utilizações, os artigos mais antigos não são menos importantes para a ciência. O acesso aberto, incluindo possibilidades de reutilização, também deve ser aplicado a eles. Read More →

Certifique-se de que seu livro seja descoberto! Conselhos orientados ao leitor para o autor do livro [Publicado originalmente no blog LSE Impact of Social Sciences em Novembro/2017]

Embora a publicação de livros acadêmicos permaneça dominada pela impressão, a capacidade de alcançar os leitores agora é extremamente dependente da descoberta online de livros acadêmicos. Os autores que procuram se conectar com o maior número possível de leitores devem considerar como maximizar as chances de seus livros e capítulos serem recuperados nas pesquisas online dos leitores. Terry Clague oferece alguns conselhos simples orientados ao leitor para o autor do livro. Read More →

A vez dos periódicos de qualidade do Brasil

Políticas, programas e projetos de pesquisa deverão alavancar os periódicos do Brasil e permitirão ampliar o reconhecimento e a qualificação da ciência brasileira em suas dimensões científica e social, além do clássico ranqueamento bibliométrico dos periódicos que influenciam pesquisadores, instituições acadêmicas, periódicos e agências de pesquisa. Read More →

Colaboração e cooperação são fundamentais para tornar a ciência aberta uma realidade [Publicado originalmente no blog LSE Impact of Social Sciences em Outubro/2017]

A causa por dados abertos é cada vez mais inquestionável. A prática aprimorada de dados pode ajudar a endereçar preocupações sobre a reprodutibilidade e a integridade da pesquisa, reduzir a fraude e melhorar os resultados dos pacientes, por exemplo. A pesquisa também mostra que boas práticas de dados podem levar a maior produtividade e aumento de citações. No entanto, como relata Grace Baynes, os dados recentes de pesquisa mostram que, embora a comunidade de pesquisa reconheça o valor dos dados abertos, a aceitação permanece lenta, com boas práticas de dados e compartilhamento de dados longe do status quo. Para efetivar mudanças, o governo, financiadores, instituições, publishers e os próprios pesquisadores têm um papel importante a desempenhar. Read More →

Algumas ideias sobre a pós-graduação brasileira

O nível dos cursos de mestrado e doutorado do Brasil pode ser melhorado mediante à introdução de novas disciplinas que foquem na “formação” do aluno ao invés da “informação”. Read More →

Uma solução estatística para a crise de replicação na ciência [Publicado originalmente no The Conversation em Outubro/2017]

Como devemos avaliar as alegações iniciais de uma descoberta científica? Eis aqui uma nova ideia: Somente os valores-p inferiores a 0,005 devem ser considerados estatisticamente significativos. Os valores-p entre 0,005 e 0,05 devem ser chamados de sugestivos, porém a significância estatística não deve servir como um limite padrão para publicação. Read More →

Nós temos a tecnologia para salvar a avaliação por pares – agora compete às nossas comunidades implementá-las [Publicado originalmente no blog LSE Impact of Social Sciences em Setembro/2017]

Houve uma explosão em inovação e experimentação na revisão por pares nos últimos cinco anos. Enquanto o ideal da revisão por pares ainda seja necessário, é a sua implementação, e a falta atual de qualquer alternativa viável, que deve procurar melhorar, com base em três características fundamentais que sustentam qualquer sistema viável de revisão por pares: controle de qualidade e moderação, incentivos de desempenho e engajamento, e certificação e reputação. Read More →

Avaliação por pares: recomendações dos periódicos aos pareceristas

A despeito de estar passando por transformações para torná-la mais sustentável, rápida e eficiente, a avaliação por pares é o processo que contribui para aumentar a qualidade e confiabilidade da comunicação científica. Poucos periódicos, entretanto, disponibilizam aos seus pareceristas instruções detalhadas sobre como realizar esta avaliação seguindo sua política editorial, o que diminui a eficácia e a eficiência do processo. Read More →

A ciência é fundamentalmente um empreendimento coletivo. Esta coletividade deve ser reconhecida mais explicitamente

Existe uma falta de conexão entre a natureza coletiva da ciência e a forma como os sistemas editorial e acadêmico de crédito e recompensa se concentram fortemente em realizações individuais. Isso resulta em problemas que afetam não só a ciência, mas a confiança da sociedade na ciência e, portanto, a sociedade como um todo. Read More →