Entrevista com Mark Patterson

Mark Patterson

Mark Patterson

eLife consiste na publicação em acesso aberto de conteúdos selecionados por um renomado grupo de pesquisadores. Patterson também fala sobre o recente artigo polêmico sobre acesso aberto publicado pela Science e seu impacto sobre a credibilidade destes periódicos. Mark Peterson  atribui à SciELO a crescente visibilidade e qualidade dos periódicos na América Latina e diz que o grande desafio agora é integrá-los ao mainstream internacional.

Mark Patterson foi pesquisador em genética por 12 anos antes de passar para publicação científica em 1994 como o editor do Trends in Genetics. Depois de vários anos na Nature, onde ele esteve envolvido no lançamento da Nature Reviews Journals, ele se mudou para PLOS em 2003. Como Diretor de Publicação até 2011, Mark ajudou a lançar várias Revistas PLOS e foi um dos fundadores da Open Access Scholarly Publishers Association.

1. Quais são as contribuições e inovações que eLife está trazendo para comunicação científica e acesso aberto?

eLife é uma iniciativa de três grandes financiadores de pesquisa – o Howard Hughes Medical Institute, a Max Planck Society e o Wellcome Trust – e, portanto, enfatiza que a comunicação científica é parte integrante do processo de pesquisa .  eLife também é uma colaboração entre os financiadores e os profissionais da pesquisa: a seleção de conteúdo e a responsabilidade editorial para eLife repousa inteiramente em um excelente e ativo grupo de pesquisadores de renome. Nosso mandato geral é impulsionar a inovação em todos os aspectos da comunicação científica, selecionando e apresentando os resultados mais importantes da biomedicina e das ciências da vida e torná-los disponíveis abertamente.

Ao fornecer um local de publicação de alto prestígio, eLife vai ajudar a impulsionar o acesso aberto, bem como outras melhorias nos processos de comunicação. Por exemplo, o aspecto da eLife que está atualmente tomando a imaginação das comunidades de pesquisa relevantes é o processo editorial. No eLife , os editores consultam com os revisores antes de que as decisões sejam enviadas aos autores, e consolidam os pedidos de revisão essenciais em um único conjunto de instruções. Os autores, portanto, receber orientação explícita, e os resultados indicam que o trabalho está sendo publicado mais rapidamente do que em periódicos comparáveis ​​e que os autores consideram o processo construtivo e inovador. Nós também estamos explorando uma série de novas formas de apresentar a pesquisa para um consumo mais eficaz pelos leitores, bem como para os computadores. eLife vem publicando há um ano, e está rapidamente emergindo como um local atraente para publicar ciência de alta qualidade. Através da colaboração e da inovação, esperamos que eLife seja uma força forte e positiva na transformação da comunicação científica do meio impresso para o digital.

2. Em que aspectos os objetivos da eLife diferem daqueles do PLoS?

eLife está sendo lançado numa época em que a publicação em acesso aberto é agora parte do mainstream da comunicação científica . No entanto, mesmo na área da biomedicina, onde a publicação em acesso aberto tem sido particularmente bem sucedida, estima-se que o conteúdo de acesso aberto (de livre acesso e totalmente reutilizável) representa apenas cerca de 15% do todo, por isso ainda temos um longo caminho a percorrer. As motivações para o lançamento do eLife também vão além do acesso aberto, e se estendem até a reforma de práticas e apresentação de conteúdos editoriais. Na medida em que o conteúdo está em jogo, eLife tem um foco muito específico sobre a pesquisa mais influente, onde as opções de acesso aberto aos autores são mais limitadas.

Dito isso, gostaria de acrescentar que eLife tem muito em comum com PLoS no que diz respeito ao acesso aberto e a reforma das práticas de avaliação de pesquisa, por exemplo. Esperamos, portanto, unir forças com PLoS e outras organizações afins em diversas áreas para conduzir ampla melhoria na comunicação científica.

3. Uma semana após a publicação pela Science do artigo “ferroada” (sting) de Bohannon, qual é a sua avaliação? Apesar de suas falhas metodológicas como o artigo contribuiu positivamente para o avanço do acesso aberto?

Tem havido uma grande quantidade de comentário sobre a operação “sting“, realizado por John Bohannon e relatado no periódico Science. Concordo com a opinião geral de que o exercício fornece alguns dados úteis sobre as práticas editoriais precárias de funcionamento em uma série de revistas, mas considero que as conclusões que podem ser tiradas a partir do estudo são limitadas. A falta de qualquer grupo de controle e a abordagem que foi usada para selecionar os periódicos não permite tirar conclusões se as práticas precárias são mais ou menos comuns em periódicos por assinatura em relação àqueles em acesso aberto.

Em última análise, precisa ser lembrado que o artigo da Science não é, em nenhum sentido, um estudo científico rigoroso, e não foi ele próprio objeto de revisão por pares. Um dos resultados positivos do exercício será a enfase que organizações como o Directory of Open Access Journals (DOAJ) e o Open Access Scholarly Publishers Association (assim como aqueles que representam publicação por assinatura) têm um papel importante a desempenhar na identificação de publishers e periódicos que são rigorosos em suas práticas. Como um membro do conselho de OASPA, agora estou trabalhando com colegas sobre os próximos passos que devemos tomar, tendo em conta as informações apresentadas no artigo da Science.

4. O Programa SciELO favorece uma visão global e integrada do fluxo de informação científica em lugar da divisão tradicional entre publicações tradicionais e regionais . Em sua opinião, quais são os principais desafios e oportunidades de desenvolvimento que os países emergentes enfrentam para fortalecer e promover a sua capacidade de comunicação científica?

SciELO e programas relacionados na América Latina já estão servindo para quebrar as barreiras para o uso de literatura acadêmica, tornando o conteúdo de acesso aberto de, e fornecendo uma plataforma que é consistente com uma grande quantidade de conteúdo acadêmico. Eu diria que um dos principais desafios é integrar esse conteúdo com o “mainstream” de modo que resultados da pesquisa sejam mais “globais” e interligados.

Agora que o acesso aberto é um modo estabelecido de comunicação científica em todo o mundo, há a oportunidade para as organizações que representam diferentes partes do mundo colaborar e construir uma coleção verdadeiramente global da literatura sobre a qual novos serviços podem ser desenvolvidos. SciELO 15 é em si uma oportunidade para que essas idéias sejam exploradas. Desta forma, poderíamos estabelecer métodos e ferramentas que comecem a cumprir a visão mais ampla de acesso aberto – para transformar a literatura de pesquisa em um recurso muito mais poderoso para a pesquisa, a educação e o benefício da sociedade.

O uso de abordagens emergentes como altmetrics e métricas e indicadores em nível de artigo também vai ajudar, pois estas abordagens fornecem evidências do impacto de artigos acadêmicos individuais e em tempo, o que irá reduzir a ênfase no nome do periódico como um proxy para a significância da pesquisa. Mas é importante que tais abordagens levem em conta os indicadores específicos que serão relevantes em diferentes contextos e nações. Concluo enfatizando que há lições que podem ser aprendidas no mundo desenvolvido com os sucessos de iniciativas como o SciELO, que têm mostrado grande liderança e criatividade em aumentar o perfil e a utilidade dos estudos nos países em que esses programas operam.

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

SCIENTIFIC ELECTRONIC LIBRARY ONLINE. Entrevista com Mark Patterson [online]. SciELO em Perspectiva, 2013 [viewed ]. Available from: http://blog.scielo.org/blog/2013/10/21/entrevista-com-mark-patterson/

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Post Navigation