A visibilidade dos Periódicos do Brasil

Por Abel L Packer

Imagem adaptada da original, por David Goehring.

Imagem adaptada da original, por David Goehring.

Os periódicos de qualidade do Brasil, especialmente os indexados e publicados pelo SciELO, vêm adquirindo notável e crescente visibilidade e credibilidade internacional.

A conquista mais recente e importante é a operação do SciELO Citation Index (SciELO CI) na plataforma Web of Science (WoS) iniciada em janeiro de 2014 e que disponibiliza o conjunto dos periódicos para as principais comunidades de pesquisa de todo o mundo. O SciELO CI faz uso de todas as facilidades da WoS, pode ser acessado sozinho ou no conjunto das bases de dados. A contagem das citações domésticas recebida dos periódicos SciELO e estrangeiras dos periódicos WoS torna o SciELO CI um índice internacional amplo e de qualidade. A partir de 2015 o SciELO publicará o desempenho dos periódicos por áreas temáticas com base nas citações do SciELO CI, o que permitirá identificar e equilibrar na coleção os periódicos que comunicam pesquisas de escopo nacional e internacional.

Os periódicos do Brasil indexados no WoS e no Scopus apresentam desempenho destacado em comparação com os dos países BRICS e dos demais países da América Latina. Em ambos os índices os periódicos SciELO apresentam desempenho superior ao conjunto dos periódicos do Brasil, o que reafirma tanto o controle de qualidade do SciELO quanto a contribuição do acesso aberto. No JCR edição 2014, a mediana da distribuição do Fator de Impacto dos periódicos do Brasil é 0,554, dos SciELO é 0,631 e dos não SciELO é 0,346. No Scimago/Scopus 2014, a mediana é 0,255 para todos os periódicos do Brasil, sobe para 0,365 para os SciELO e baixa para 0,200 para os não SciELO.

Todos os periódicos SciELO têm seus artigos formatados para maximizar a indexação do Google Scholar, que é uma das principais fontes de busca de informação científica. Entre os 100 periódicos que publicam em português e detém melhor desempenho no Google Scholar em 2013, 86% são indexados no SciELO. Da mesma forma, todos os artigos dos periódicos SciELO têm DOI, o que significa estar indexado no CROSSREF e portanto localizável para links.

O conjunto dos periódicos do SciELO tem desempenho destacado no Ranking Web of Repositories. O SciELO Brasil ocupa o terceiro lugar, atrás dos portais de redes sociais de pesquisadores ResearchGate e do Academia.edu. Este posicionamento é reflexo do extraordinário número de acessos e downloads que os artigos SciELO recebem. No primeiro semestre de 2014 e seguindo a metodologia internacional de contagem do COUNTER, o SciELO serviu uma média de 600 mil downloads de arquivos HTML e PDF diários, ou seja, cada artigo SciELO recebeu uma média de 2.5 acessos por dia. Nos últimos dois anos houve um aumento anual de 11% no número de downloads dos artigos SciELO.

Estes avanços refletem a expectativa dos periódicos, das agências de fomento e em particular do Programa SciELO, que tem como objetivo específico mais importante fortalecer e ampliar de modo sustentável a visibilidade da pesquisa comunicada pelos periódicos que indexa, publica e interopera. Ao longo dos 16 anos de operação e sempre em parceria com os periódicos, o SciELO alcançou destacados resultados e projeta avanços importantes para os próximos anos com a condução das linhas prioritárias de ação de profissionalização, internacionalização e sustentabilidade que o SciELO vem desenvolvendo.

No que se refere à internacionalização dos periódicos SciELO, o programa definiu algumas metas para o conjunto dos periódicos que são ajustadas por áreas temáticas. Assim, o número de artigos em inglês vem crescendo em média 7% ao ano para o conjunto da coleção. Em 2009, esses artigos somavam 41% e em 2013 passaram a 55%, sendo 13% publicados simultaneamente em português e inglês. A perspectiva é que nos próximos três anos a porcentagem de artigos em inglês alcance entre 65 e 75%.  Da mesma forma, a porcentagem de autores estrangeiros em média cresceu em pouco mais de 1% ao ano nos últimos 5 anos. Em 2009, os artigos com autores estrangeiros somavam 13% e em 2013 passaram a 18%, sendo 6% artigos de colaboração de brasileiros e estrangeiros. A perspectiva é que a partir de 2016 o conjunto da coleção ultrapasse 20% de autores estrangeiros sendo que meta recomendada pelo SciELO para os próximos 5 anos é passar de 30%.

Para realizar avanços mais rápidos que os previstos pelo SciELO acima, faz-se necessária uma combinação de ações por parte dos periódicos e das agências de fomento. Em primeiro lugar, dos periódicos, com a ação dos editores no aperfeiçoamento dos processos e critérios de seleção de manuscritos, privilegiando a qualidade em relação à quantidade e com a ação das instituições responsáveis, desenvolvendo modelos sustentáveis de financiamento que combine recursos próprios, das agências de fomento e da cobrança de taxas de publicação. Em segundo lugar, das agências de financiamento, com programas de auxílio para apoiar a profissionalização e internacionalização com foco no financiamento das taxas de publicação de artigos nos periódicos de qualidade.

De qualquer forma, os avanços do SciELO e dos periódicos na implantação das linhas prioritárias de ação de profissionalização e internacionalização deverão refletir progressivamente nos próximos anos nos indicadores de visibilidade e desempenho dos periódicos.

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

PACKER, A. A visibilidade dos Periódicos do Brasil [online]. SciELO em Perspectiva, 2014 [viewed ]. Available from: http://blog.scielo.org/blog/2014/11/05/a-visibilidade-dos-periodicos-do-brasil/

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Post Navigation