Author: Ernesto Spinak

Colaborador do SciELO, engenheiro de Sistemas e licenciado en Biblioteconomia, com diploma de Estudos Avançados pela Universitat Oberta de Catalunya e Mestre em “Sociedad de la Información" pela Universidad Oberta de Catalunya, Barcelona – Espanha. Atualmente tem uma empresa de consultoria que atende a 14 instituições do governo e universidades do Uruguai com projetos de informação.

Ética editorial – como detectar o plágio por meios automatizados

O aumento do plágio nos artigos científicos requer que os editores disponham de eficientes sistemas de detecção de plágio ou Plagiarism Detection Systems (PDS), uma vez que existem múltiplas formas de encobrir esta prática desonesta. O tema é tão importante que desde o ano 2004 a University of Applied Sciences de Berlim mantém um site especializado em avaliações de PDS. Read More →

O contra-ataque dos gigantes – Elsevier saiu à caça de autores

Em dezembro passado Elsevier enviou milhares de e-mails para os repositórios de artigos de publicações científicas com artigos de acesso aberto que tinham sido publicados em periódicos da Elsevier, solicitando que fossem removidos, amparados pelos direitos de autor conferido pela Digital Millennium Copyright Act (DMCA). Isso levantou um alarme na comunidade acadêmica, pois poderia ser o início de ações similares por outros publishers do sistema comercial. Vozes se levantaram em defesa dos direitos dos autores, mas, mais cedo ou mais tarde, os pesquisadores devem decidir se o modelo de publicação tradicional é aquele que melhor atende aos seus interesses. Read More →

Ética editorial – “Ghostwriting” é uma prática insalubre

Na comunicação científica, diferente da politica e da literatura, se considera uma falta ética e pode ter consequências legais escrever de forma anônima (fantasma) e solicitar o nome de outra pessoa para assinatura. Lamentavelmente, não é raro que empresas farmacêuticas e empresas médicas usem escritores fantasmas para publicar artigos que promovem seus produtos sem muitas vezes, estarem devidamente aprovados por ensaios clínicos independentes, e muitas vezes são publicados em periódicos de impacto internacional. Read More →

Preservação: a construção da continuidade digital

A informação digital está crescendo em número e variedade, incluindo periódicos científicos, registros governamentais, educação e tudo produzido e publicado na Internet que precisa ser preservado. A necessidade de preservação a longo prazo não é uma questão tecnológica, mas um grande desafio institucional que não foi planejado, e da necessidade de habilidades que não são comuns no mercado de trabalho. Esse desafio é uma das questões mais importantes em países desenvolvidos que se dedicam grandes somas de dinheiro para lidar com isso. Read More →

“To blog or not to blog”– o que está fazendo a academia

Quando se fala de blogs científicos, pensamos que são meios que priorizam a difusão dos resultados da atividade científica ao público em geral. Mas, aparentemente, não está ocorrendo este ideal de transferência de conhecimento científico aos cidadãos, ao invés, eles estão se convertendo em fóruns de debates internos entre colegas interessados em suas próprias carreiras profissionais, ou seja, blogs de cientistas para cientistas. Read More →

Dados Abertos: informação líquida, democracia, inovação… os tempos estão mudando

Os Dados Abertos estão mudando o ensino, a pesquisa e a tomada de decisões. O plano dos Governos Abertos registra mais de 385 catálogos em 40 países que oferecem mais de um milhão de data-sets abertos. Os DA somam-se ao Acesso Aberto, Software Livre e Creative Commons, em um processo de mudança mundial. Um recente relatório do McKinsey Global Institute revela que dispor de DA permitiria aumentar o PIB em trilhões de dólares. Read More →

Ética editorial e o problema do autoplágio

Se o autor copia um texto sem indicar o autor que o escreveu é considerado plágio, mas… o que acontece se você copiar suas próprias obras e não indicar? Autoplágio não é um crime de propriedade intelectual, mas é uma falta de ética na comunicação científica. É possível reutilizar seu próprio material? Até que ponto um trabalho pode ser incorporado a partes de trabalhos anteriores? Read More →

Impacto segundo Nature: comentários sobre o número especial 502 (7471) 17 oct. 2013

O fator de impacto dos periódicos medidos por citações recebidas é relevante, mas não suficiente para a avaliação dos projetos por parte das agências nacionais que financiam pesquisas. Sem desconsiderar essas medidas objetivas e a importância que têm, está surgindo uma visão consensual de que deve-se também avaliar o impacto social e econômico do que as agências financiam. Read More →

Ética editorial e o problema do plágio

O plágio no ambiente acadêmico, além de violar os direitos autorais e morais, é uma falta de ética que pode levar a expulsão do pesquisador. Há diferentes formas de plágio, que ocorrem com frequência diferente. Um recente relatório feito pela empresa iThenticate mostra os 10 casos mais comuns de plágio e seu índice de gravidade. Read More →

Os artigos em acesso aberto chegaram para ficar: em menos de 10 anos aproximam de 50% do nível mundial

Publicação patrocinada pela Comissão Europeia, que destaca o papel do SciELO no Brasil e no hemisfério sul, estima que 50% dos artigos acadêmicos no mundo estão disponíveis em Acesso Aberto. Pesquisadores como Stevan Harnad calculam esta taxa em 32%. Diferenças metodológicas explicam a discrepância, porém os resultados alcançados em uma década mostram que não há retrocesso nesta tendência. Read More →