Cresce a adoção do inglês entre os periódicos SciELO do Brasil

Por Abel L Packer

Um dos avanços mais notáveis que vem ocorrendo na comunicação da pesquisa do Brasil é a adoção crescente do inglês pelos periódicos do Brasil indexados internacionalmente. Entre vários países que não têm o inglês como língua nativa e publicam periódicos indexados internacionalmente, o Brasil se destaca no aumento progressivo da publicação em inglês, não obstante, permanece como o país com maior proporção de artigos em língua estrangeira entre os países de maior produção científica, inclusive nas ciências sociais e humanas que tradicionalmente fazem maior uso dos idiomas nativos (Tabela 1 e Tabela 2).

Tabela 1. Porcentagem de artigos em inglês no WoS entre 2010 e 2015 para vários países

Tabela 1

(*) equação da reta para o Brasil: y = 0,0267x + 0,7755, r2= 0,9797, para 2010 a 2014, porque 2015 está incompleto na WoS
Fonte: Web of Science, 5 de maio de 2016

Tabela 2. Porcentagem de artigos em inglês nos índices de humanas e ciências sociais do WoS entre 2010 e 2015 para vários países

Tabela 2

(*) equação da reta para o Brasil: y = 0,0588x + 0,4203, r2 = 0,9523, para 2010 a 2014, porque 2015 está incompleto no WoS
Fonte: Web of Science, 5 de maio de 2016

Esta tendência ocorre principalmente entre os periódicos do Brasil indexados no SciELO (Figura 1), que a partir de 2014 alcançaram um marco histórico quando passaram a publicar mais em inglês que em português. Outro dado importante desta evolução é a publicação simultânea em português e inglês que passou de 13% a 17% dos artigos da coleção nos últimos cinco anos.

Figura 1

Fonte: SciELO, 2016
Figura 1. Evolução do número de artigos dos periódicos indexados no SciELO Brasil segundo idioma de publicação entre os anos 2011 e 2015

Esse crescimento acentuado da publicação em inglês nos últimos anos expressa a decisão dos gestores dos periódicos de reforçar e ampliar a inserção da pesquisa que publicam no fluxo internacional de informação científica em sintonia com as políticas e ações do Programa SciELO em prol da internacionalização. De fato, os Critérios SciELO de indexação estabelecem porcentagens mínimas e recomendadas de artigos em inglês para o conjunto dos periódicos e segundo as grandes áreas temáticas. A Tabela 3 apresenta estas porcentagens esperadas e a sua ocorrência em 2015.

Tabela 3. Distribuição dos artigos no SciELO Brasil em 2015 segundo idioma de publicação e porcentagens mínimas e esperadas pelos Critérios SciELO segundo as grandes áreas do conhecimento

Tabela 3

Fonte: SciELO, 2016

Nota-se que em 2015 as porcentagens requeridas mínimas e recomendadas de artigos em inglês já são atendidas pelos periódicos de quatro áreas: Multidisciplinar, Biológicas, Saúde e Literatura, Letras e Artes. Entretanto, a maioria das áreas ainda não atende o mínimo requerido – Agrárias, Sociais Aplicadas, Engenharias, Exatas e da Terra e Humanas. Já conjunto da coleção SciELO Brasil atende a porcentagem mínima de artigos em inglês, mas não a esperada, ou seja, a recomendada.

Considerando a taxa de crescimento da publicação em inglês calculada com base na evolução ocorrida nos últimos cinco anos por áreas temáticas, a Tabela 4 apresenta as porcentagens projetadas para os próximos anos, indicando o ano que a área alcança a porcentagem mínima e a recomendada.

Tabela 4. Evolução da porcentagem dos artigos em inglês entre 2011 e 2015 e projeção para os anos 2016 a 2019

Tabela 4

Fonte: SciELO, 2016

Os periódicos das ciências biológicas, literatura, letras e artes, saúde e multidisciplinares alcançaram em 2015 as porcentagens esperadas pelos Critérios SciELO. As áreas de Agrárias, engenharias, exatas e da terra, humanas e sociais aplicadas devem alcançar o mínimo exigido em 2017, mantendo-se o ritmo de crescimento dos últimos 5 anos e a permanência da mesma composição nas áreas temáticas. A coleção como um todo somente alcançará a porcentagem esperada de artigos em inglês em 2019. Entretanto, a expectativa do SciELO é que a adoção do inglês será acelerada nos próximos dois anos.

A adoção do inglês é uma decisão de política editorial que envolve estímulos e barreiras relacionados como as prioridades da pesquisa que comunicam, idiossincrasias das respectivas comunidades de pesquisadores, interesses e públicos alvos envolvidos e recursos financeiros para tradução ou revisão do inglês. De fato, como mostra a Tabela 4, a receptividade e relevância com que o inglês é percebido entre os responsáveis pelos periódicos e suas comunidades de pesquisadores varia significativamente entre as áreas temáticas. Uma solução que a metodologia de publicação do SciELO disponibiliza aos editores é a publicação multilíngue com vistas a atender diferentes públicos seja com a possibilidade de comunicar um conjunto dos artigos em inglês ou mesmo a publicação simultânea de artigos em português e inglês, opção que abarca marcantes 35% dos artigos das ciências da saúde (Tabela 3).

Com base na evolução dos últimos cinco anos os Critérios SciELO projetam uma porcentagem de 75% dos artigos em inglês e entre 40 e 50% em português considerando a publicação bilíngue simultânea entre 15 e 25% dos artigos. A coleção de periódicos já indexados deverá atender esta proporção o mais rapidamente possível enquanto a indexação de novos periódicos deverá obrigatoriamente atender os critérios mínimos quando a área já tenha alcançado a porcentagem mínima requerida.

A internacionalização como linha de ação do SciELO projeta maximizar a inserção internacional do SciELO, dos periódicos e das pesquisas que publicam. Entretanto, o uso do inglês é um dos três estados de internacionalização dos periódicos definidos pelo SciELO. Os outros dois preveem porcentagem mínima de presença de pesquisadores com afiliação estrangeira na composição dos conselhos e processos editorias e porcentagem mínima de autoria estrangeira. A expectativa é que a internacionalização dos periódicos vai contribuir decisivamente para aumentar a visibilidade e impacto das pesquisas que comunicam.

Referências

MENEGHINI, R., and PACKER, A.L. Is there science beyond English? EMBO Reports. 2008, vol. 8, nº 2, pp. 112-116. DOI: 10.1038/sj.embor.7400906.

PACKER, A.L. The emergence of journals of Brazil and scenarios for their future. Educ. Pesqui. 2014, vol. 40, nº 2, pp. 301-323. [viewed 09 May 2016] Available from: http://ref.scielo.org/2vz2xf

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

PACKER, A. Cresce a adoção do inglês entre os periódicos SciELO do Brasil [online]. SciELO em Perspectiva, 2016 [viewed ]. Available from: http://blog.scielo.org/blog/2016/05/10/cresce-a-adocao-do-ingles-entre-os-periodicos-scielo-do-brasil/

 

2 Thoughts on “Cresce a adoção do inglês entre os periódicos SciELO do Brasil

  1. Pingback: Temer, Kassab e o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações | Direto da Ciência

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Post Navigation