Moção de repúdio ao ataque classista do Sr. Jeffrey Beall ao SciELO

Pelo Fórum de Editores de Revistas de Saúde Coletiva e Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco)
image

Jeffrey Beall, bibliotecário norteamericano que alcançou notoriedade pela publicação de uma lista de editoras de periódicos de acesso aberto por ele consideradas predatórias, publicou em seu blog um texto inacreditavelmente equivocado e preconceituoso, a começar de seu título, “Is SciELO a Publication Favela?”1 (Será o SciELO uma favela de publicações?)

A partir de uma visão etnocêntrica e comercialista, o Sr. Beall pressupõe que, por não ter o conjunto de suas publicações inseridas na base bibliográfica da Thomson Reuters, e por não ter sido dada continuidade à proposta da CAPES de contratar uma editora estrangeira para se responsabilizar pela disseminação de algumas revistas nacionais, as publicações do SciELO estariam “escondidas do mundo” (sic).

A título de promover editoras comerciais, o Sr. Beall menospreza o patrimônio representado pela coleção SciELO, e faz afirmações factualmente incorretas. Ao contrário do que ele afirma, toda a coleção está indexada na base Scopus2. Também ao contrário de sua afirmação, o SciELO já adota, há algum tempo, a licença Creative Commons, portanto não há o risco de um texto “perder seu interesse” devido ao copyright do autor.

Um parágrafo em particular demonstra o tom preconceituoso, classista, imperialista e argentário da diatribe do Sr. Beall: “Assim, plataformas de editores comerciais são bairros agradáveis para publicações acadêmicas. Por outro lado, algumas plataformas de acesso aberto são mais parecidos com favelas de publicações” (no original: “Thus, commercial publisher platforms are nice neighborhoods for scholarly publications. On the other hand, some open-access platforms are more like publication favelas”).

Contrapondo-se a essa visão neocolonial, artigo recente de Vessuri e cols. destaca a contribuição de iniciativas como a SciELO e a Redalyc (também caluniada pelo sr. Beal) para o desenvolvimento da ciência na América Latina e para o mundo: “Na verdade, a América Latina está usando o modelo de publicação Open Access numa extensão muito maior do que qualquer outra região do mundo. Adicionalmente, como o sentido de missão pública permanece forte entre as universidades latino-americanas, a eficácia do acesso aberto para o compartilhamento de conhecimento foi ouvida claramente. (…) Estas iniciativas atuais demonstram que a região contribui cada vez mais para a troca de conhecimento global, posicionando a literatura de pesquisa como um bem público3“.

Ao contrário do asco classista que favelas provocam no senhor Beall, lembramos que favelas são onde boa parte da população brasileira, usuária do SUS e financiadora em última instância da própria ciência brasileira, reside. A discriminação e preconceito contra esses cidadãos brasileiros é inadmissível. Se as únicas alternativas para a publicação científica são habitar o condomínio fechado do 1% da população mundial que concentra a riqueza e explora os demais 99%, ou estar junto ao povo numa favela, viva a favela.

Notas

1. BEALL, J. Is SciELO a Publication Favela? Scholarly Open Access. 2015. Available from: http://scholarlyoa.com/2015/07/30/is-scielo-a-publication-favela/

2. Nem todos os periódicos da Coleção SciELO Brasil estão indexados no Scopus.

3. VESSURI, H.; GUÉDON, J.; and CETTO, A. Excellence or quality? Impact of the current competition regime on science and scientific publishing in Latin America and its implications for development. Current Sociology. 2014, vol. 62 nº 5, pp. 647-665. DOI: 10.1177/0011392113512839

Referências

BEALL, J. Is SciELO a Publication Favela? Scholarly Open Access. 2015. Available from: http://scholarlyoa.com/2015/07/30/is-scielo-a-publication-favela/

VESSURI, H.; GUÉDON, J.; and CETTO, A. Excellence or quality? Impact of the current competition regime on science and scientific publishing in Latin America and its implications for development. Current Sociology. 2014, vol. 62 nº 5, pp. 647-665. DOI: 10.1177/0011392113512839

 

[Revisado – 14 Junho 2016]

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

Moção de repúdio ao ataque classista do Sr. Jeffrey Beall ao SciELO [online]. SciELO em Perspectiva, 2015 [viewed ]. Available from: http://blog.scielo.org/blog/2015/08/02/mocao-de-repudio-ao-ataque-classista-do-sr-jeffrey-beall-ao-scielo/

 

10 Thoughts on “Moção de repúdio ao ataque classista do Sr. Jeffrey Beall ao SciELO

  1. Excelente resposta! Está também traduzida ao inglês?

    Tenho achado estranho os comentários desse Sr. Jeffrey Beal. Ele não é uma pessoa desinformada. Seria ele pago por Thompsom-Reuters, Elsevier ou Springer?

    Saudações acadêmicas.

  2. Pingback: A reação à postagem de Jeffrey Beall sobre a Scielo: provincianismo e auto-piedade não são boas respostas | Blog do Pedlowski

  3. Pingback: E a grita contra Jeffrey Beall continua. Os editores predatórios agradecem! | Blog do Pedlowski

  4. Gabriela Zuquim on August 13, 2015 at 05:05 said:

    excelente. “Ao contrário do asco classista que favelas provocam no senhor Beall, lembramos que favelas são onde boa parte da população brasileira, usuária do SUS e financiadora em última instância da própria ciência brasileira, reside.” Nota mil. Senti falta de um comentário desse tipo na nota de repúdio da SciELO.

  5. Pingback: Fast-food? Não, obrigado. | Circuito Acadêmico

  6. Pingback: Moção de repúdio ao ataque classista do Sr. Jeffrey Beall ao SciELO - Interface

  7. Pingback: Pesquisadores destacam papel transformador da política de conhecimento aberto - ABRASCO

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Post Navigation