Ética editorial – os plágios devem ser retratados? – não todos

O que se deveria fazer com um artigo no qual foram detectadas partes que foram copiadas de trabalhos previamente publicados: (a) rejeitá-lo no processo editorial, (b) retratá-lo se já tiver sido publicado, ou (c) alguma outra medida? Este problema é levantado por Praveen Chaddah, em um número recente da Nature¹, o qual pessoalmente foi vítima de dois plágios.

Chaddah está de acordo que o plágio é uma má conduta, porém distingue entre o “plágio de texto” e o plágio de ideias. No final das contas, os cientistas não são escritores de livros ou romances, e o importante a defender é que não se tome créditos por ideias ou resultados de outros pesquisadores. Porque o plágio de ideias golpeia diretamente no coração da pesquisa, como empreendimento criativo e inovador. Uma ideia pode ser uma hipótese para explicar observações ou um experimento para validar esta hipótese, e este tipo de plágio é difícil de descobrir pelos procedimentos automáticos de detecção de plágio que simplesmente escaneiam textos. Também, ressalta Chaddah, a cópia de resultados sem a devida referência, mais do que plagio, é diretamente uma fraude.

O problema que introduz Chaddah é como deveriam ser tratados estes três tipos de plagio.

1. Cópia de textos na introdução. Este tipo de plagio é facilmente detectado por software, e para alguns periódicos é causa suficiente para rejeitar o artigo, porém se o experimento é realizado corretamente, os resultados poderiam ser importantes e benéficos neste campo de pesquisa.

2, 3. Copiar textos da seção de “métodos ou da seção de “resultados” pode ser mais grave se estiverem sendo copiado ideias e dados. O software não pode determinar esta classe de plagio, para o qual se requer a visão de um especialista.

Se for certo que os autores poderiam ter ultrapassado a linha da ética, a pergunta é se estes trabalhos deveriam ser retirados, ou somente retratados, ou corrigidos com informação suplementar. A resposta é: depende… De todas as maneiras, o descobrimento de plágio, ainda que não mereça uma retratação, pelo menos requer uma investigação. Entretanto, as políticas seguidas pelos periódicos no processo de revisão não são claras no que se refere à tecnologia de detecção de plágio, nem como os editores encaram a situação para resolver estes casos de plágio.

O tema não é simples, pois para os pesquisadores a seção “métodos” apresenta um conjunto singular de desafios se quiser ser original.

A razão é que, mesmo quando se realiza uma pesquisa original, os autores inevitavelmente estarão repetindo os mesmos passos que outros cientistas fizeram anteriormente. Seja que estejam usando técnicas já estabelecidas para estudar algo novo, ou simplesmente replicando um estudo anterior, pode ser frustrante tentar encontrar novas formas de descrever com precisão algo que já foi feito inúmeras vezes anteriormente. (Bailey 2013) (tradução livre)

segundo opinião de Jonathan Bailey, assíduo colaborador no blog de Ithenticate referindo-se ao plágio.

Esta dificuldade de escrever um texto original sobre algo que já foi descrito repetidas vezes levou muitos autores, quando repetem métodos que têm sido usados anteriormente, a simplesmente copiar o texto com as descrições. Ocorre com mais frequência por autores que não são de língua inglesa. O erro é copiar a seção “métodos, sem fazer a atribuição correspondente à fonte original.

De acordo com um estudo publicado recentemente em Scientometrics² frente a esta prática bastante frequente, 20% dos editores em biociências não o consideram importante se a parte copiada é menor que 40% da seção “métodos.

A pesquisa em Scientometrics mostrou que os autores usam diferentes estratégias ao escrever a seção “métodos” no artigo: a prática mais frequente é que se copiam os métodos publicados, portanto, com menos frequência, é feita referências a trabalhos anteriores, e ainda menos frequente é reescrever completamente a seção com suas próprias palavras. Os diagramas de decisão do Committee on Publication Ethics indicam que a decisão é de responsabilidade do editor e irá depender do tipo e extensão da parte copiada.

O uso cada vez maior de CrossCheck em anos recentes aumentou a possibilidade da detecção de plágio “textual”, pelo que deveria ser definido como “boa prática” editorial algumas regras de decisão, em particular sobre esta seção tão difícil do artigo, principalmente nos periódicos em biociências.

O artigo do Scientometrics sugere algumas regras de “boas práticas” para escrever a seção “métodos”, que também foram propostas no ano passado no periódico Journal of Zhejiang University³, outro periódico científico que aborda o mesmo tema.

Sugestões

  1. Quando for possível, os autores deveriam usar suas próprias palavras para descrever os métodos.
  2. Se a descrição foi publicada previamente, total ou parcialmente, seja pelos mesmos o por diferentes autores, a repetição deveria ser claramente identificada (recuo, cursivas, entre aspas) e fazer referência completa ao original.
  3. Diferentes periódicos preferem diferentes estratégias. Alguns requerem o uso de uma frase tal como “de acordo com métodos bem estabelecidos” ou “como descrito previamente” (preferido por The Lancet) e logo fazer a referência apropriada.
  4. Outros periódicos como Science, requerem que os autores incluam a seção “métodos” como um anexo ou parte dos materiais suplementares.
  5. Somente deveria ser fornecida uma descrição detalhada caso o método usado seja completamente inédito.
  6. Se a seção “métodos” se refere a fornecedores de equipamento (kits), então seria suficiente fazer uma referência aos manuais dos fornecedores.

Minha reflexão

Em resumo, apesar de que o plágio sempre é uma falta de ética, não significa que o artigo contenha pesquisa de má qualidade nem resultados inválidos, é somente uma advertência que deve ser investigada.

A incorporação progressiva de tecnologias de detecção de plagio para melhorar a qualidade editorial dos periódicos SciELO, como temos recomendado em repetidos artigos, e o uso dos softwares iThenticate e CrossMark, não deveria nos levar a baixar a guarda e confiar nos algoritmos dos computadores. Afortunadamente, a inteligência não está nos computadores, mas nos revisores, ao menos até agora.

De qualquer forma, o erro está em copiar a seção “métodos” sem dar a devida atribuição que corresponde à fonte original. Finalmente, sempre é melhor fornecer muitas referências que poucas.

Notas

¹ CHADDAH, P. Not all plagiarism requires a retraction. Nature. 2013, vol. 511, nº. 7508. Available from: http://www.nature.com/news/not-all-plagiarism-requires-a-retraction-1.15517.

² JIA, X., TAN, X., and ZHANG, Y. Replication of the methods section in biosciences papers: is it plagiarism? Scientometrics. 2014, vol. 98, pp. 337-345. Available from: http://www.zju.edu.cn/]jzus/download/editorpapers/SCIMsurvey.pdf.

³ ZHANG, YH., et al. Be careful! Avoiding duplication: a case study. Journal of Zhejiang University Science B. 2013, vol. 14, nº. 4, pp. 355-358. Available from: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3625532/.

Referências

BAILEY, J. Should Research Plagiarism Cause an Automatic Retraction? Ithenticate. 2014. Available from: http://www.ithenticate.com/plagiarism-detection-blog/should-research-plagiarism-cause-an-automatic-retraction#.U9Ueymwg_3g.

BAILEY, J. The Challenge of Repeating Methods While Avoiding Plagiarism. Ithenticate. 2013. Available from: http://www.ithenticate.com/plagiarism-detection-blog/bid/94140/The-Challenge-of-Repeating-Methods-While-Avoiding-Plagiarism#.U9Ud9Wwg_3g.

CHADDAH, P. Not all plagiarism requires a retraction. Nature. 2013, vol. 511, nº. 7508. Available from: http://www.nature.com/news/not-all-plagiarism-requires-a-retraction-1.15517.

Link externo

Committee on Publication Ethics (COPE) – http://www.publicationethics.org

 

spinakSobre Ernesto Spinak

Colaborador do SciELO, engenheiro de Sistemas e licenciado en Biblioteconomia, com diploma de Estudos Avançados pela Universitat Oberta de Catalunya e Mestre em “Sociedad de la Información” pela Universidad Oberta de Catalunya, Barcelona – Espanha. Atualmente tem uma empresa de consultoria que atende a 14 instituições do governo e universidades do Uruguai com projetos de informação.

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

SPINAK, E. Ética editorial – os plágios devem ser retratados? – não todos [online]. SciELO em Perspectiva, 2014 [viewed ]. Available from: http://blog.scielo.org/blog/2014/08/13/etica-editorial-os-plagios-devem-ser-retratados-nao-todos/

 

9 Thoughts on “Ética editorial – os plágios devem ser retratados? – não todos

  1. Moysés Kuhlmann Jr. on August 21, 2014 at 10:00 said:

    Caro Ernesto Spinak,

    Alguns de seus posts contribuíram para o texto que escrevi em Cadernos de Pesquisa, n.151, jan/mar 2014, “Publicação em periódicos científicos: ética, qualidade e avaliação da pesquisa”, número em que publicamos a tradução ao português das diretrizes para autores e para editores divulgadas pelo COPE.
    http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_issuetoc&pid=0100-157420140001&lng=pt&nrm=iso

  2. Ernesto Spinak on August 26, 2014 at 11:42 said:

    Estou honrado que minhas contribuições para este blog vai ser útil para os colegas.
    Obrigado pela informação
    cumprimentos
    ernesto

  3. Fabiana Paranhos on September 12, 2014 at 14:03 said:

    Prezado Ernesto,

    Poderia nos enviar seu email para correspondência? Obrigada e um abraço.

  4. Wanessa on January 23, 2015 at 19:21 said:

    Dr. como é feito a retratação de uma cópia de um parágrafo que esta em um artigo ja publicado?

  5. Ernesto Spinak on January 26, 2015 at 11:01 said:

    Prezada Wanessa

    si esta publicado, debes comunicarte con el editor de la revista
    Ernesto

  6. Ângela Maria Boa. Pereira on August 11, 2017 at 01:02 said:

    Dr. Um professor deu um nome de livro para os alunos fazerem um trabalho. Não ajudou em nada. Depois os alunos complementaram e mandaram o artigo para uma revista. Isso é plágio de ideias?

  7. Ernesto Spinak on August 11, 2017 at 09:33 said:

    Angela
    Perguntas:
    Que tipo de trabalho eles tinham de fazer, comentários do livro?
    O artigo publicado no periódico, tinha a citação do livro?
    O artigo explica como ele foi elaborado e o objetivo deste artigo?
    Tudo depende das respostas a estas perguntas.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Post Navigation