O que é Public Library of Science Collections? – Parte I

PLoS Collections¹ é uma sessão especial da iniciativa Public Library of Science (PLoS) que apresenta coleções de artigos selecionados por este site, que é um dos líderes do movimento de Acesso Aberto (AA) da publicação científica.

São apresentadas em PLoS Collections sete áreas temáticas: biologia, medicina, genética, doenças tropicais, etc., mas em particular queremos destacar nesta oportunidade quatro subcoleções importantes para aqueles que estão interessados em AA em geral e as possibilidades que se abrem do ponto de vista da ciência da informação.

Em particular, a área temática PLoS Collections/biology², que oferece coleções gerais sobre Acesso Aberto, e outras duas áreas especiais muito interessantes, que são a Mineração de Dados (Text Mining) e a Altmetria, documentando ambas as sessões com artigos selecionados sobre as técnicas avançadas de informação e extração de dados, assim como sobre as novas ferramentas para medir o impacto e influência dos artigos científicos.

Estas duas especialidades, potencializadas graças ao acesso aberto aos textos completos, são as que permitirão no futuro próximo melhorar incrivelmente os sistemas de recuperação de informação (pela implementação da web semântica) e também permitirão dispor de medidas da importância e relevância da produção científica como alternativas ao famoso (e criticado) Fator de Impacto.

Faremos uma breve apresentação de alguns documentos destacados que são oferecidos em cada uma destas quatro subcoleções da PLoS Collections. Em cada uma das seções são agregados periodicamente novos artigos, motivo pelo qual vale a pena inclui-los em seus favoritos, para voltar a visitá-los. Como a informação é abundante, dividiremos esta nota em duas partes. Nesta ocasião, atenderemos os conteúdos das coleções Open Access, e explicaremos o conteúdo das outras duas coleções em um próximo post.

  • Open Access Collection³
  • Tenth Anniversary PLoS Biology Collection⁴
  • Text Mining Collection⁵
  • Altmetrics Collection6

Open Access Collection

Ao final de 2013 PLOS Biology completou 10 anos dedicados à publicação da excelência científica em AA, e por este motivo nestas sessões são apresentadas uma seleção de artigos, referidos ao passado e presente do movimento de AA e a história da PLoS.

Na sessão Tenth Anniversary (2013) é apresentado um editorial que nos faz refletir com as seguintes palavras: “hoje em dia parece mentira recordar que faz apenas 10 anos que a publicação em AA era vista com ceticismo”. (tradução livre)

É certo, porque havia muitas interrogações e entre as críticas principais se opinava que este modelo levaria à construção de “publicações de vaidade ou narcisistas”, que além do mais não parecia compatível com a integridade do autor que teve que pagar para publicar, e que, por outro lado, o modelo AA rebaixaria o rigor editorial.

No artigo “The Open Access Movement Grows Up: Taking Stock of a Revolution7 se conta como em pouco mais de uma década, o conceito AA cativou de forma crescente a atenção da comunidade acadêmica e científica, e como o conceito de compartilhar livremente o conhecimento proporcionou uma sólida base intelectual e filosófica a este movimento. Esta visão do futuro impulsionou a difusão de uma petição pública, patrocinada por PLoS, que foi assinada por mais de 30.000 pessoas, que de forma coletiva declararam sua intensão de apoiar as práticas de AA.

Entretanto, apesar de possuir uma visão tão convincente e significativa, o movimento em direção ao AA não foi simples, porque era necessário também que fossem operadas mudanças sociais, éticas e assegurar os resultados financeiros necessários para que fosse sustentável, motivo pelo qual não foi possível ter esta visão de um dia para o outro. Ao contrário, a implementação destas mudanças resultou uma empreitada extraordinariamente difícil. Era um complexo conjunto de fatores entrelaçados que incluiu, entre tantas coisas, modificar as rotinas de transferência indiscriminada de direitos autorais como acontecia no mundo do papel, a um sistema digital com direitos granulares como acontece no Creative Commons; incorporar mudanças nas praticas de avaliação editorial que estavam firmemente estabelecidas em periódicos de alto impacto, sem esquecer que o “establishment” editorial era (e continua sendo) uma indústria internacional que gera receita de bilhões de dólares por ano.

Apesar destes obstáculos, nestes 10 anos se viu que a adoção e aceitação do AA cresceu de maneira constante e inexorável por meio da incorporação de instituições acadêmicas e de pesquisa, que deram apoio à criação e publicação de muitos milhares de periódicos AA mediante plataformas como SciELO e BioMed Central e uma próspera rede de repositórios digitais abertos. Atualmente, no ambiente científico, é um consenso que se os resultados de uma pesquisa não tenham sido comunicados o mais amplamente possível, a pesquisa foi completada apenas pela metade.

Para passar da teoria a pratica do AA, foi necessário construir e dispor de uma sólida infraestrutura que a apoiaria. O artigo que comentamos, “The Open Access Movement Grows Up: Taking Stock of a Revolution” identifica quatro peças chave desta infraestrutura, que são indicadores de excelência, para evidenciar até que ponto o AA construiu um ecossistema verdadeiramente aberto para a comunicação acadêmica e de pesquisa.

  1. Um sólido conjunto de periódicos em AA através do mundo, como registraram DOAJ e SciELO que listam mais de 10.000 revistas completamente em AA.
  2. Uma rede de mais de 2.000 instituições de educação superior, centros de pesquisa, e agências de fomento e governamentais convencidas sobre o modelo AA.
  3. O uso consistente de licenças abertas que permitam a flexibilização para operar os direitos autorais no ambiente digital. A adoção de Creative Commons, em particular o uso da licença CC-BY tem sido uma solução importante e de uso crescente.
  4. A adoção e aplicação de políticas de apoio, que tão somente dez anos atrás não existiam, e que agora são adotadas no nível das instituições, inclusive com respaldo legal em muitos países avançados.

Qualquer que seja a forma com que se observe, o AA floresceu nestes dez anos, e a mensagem que se desprende desta coleção PLoS Open Access, é que uma Comunidade Global está sendo construída com êxito.

Outros artigos desta sessão analisam a importância do AA na Saúde Pública, na publicação de resultados de ensaios clínicos, os direitos das copias, como o AA é financiado, e uma grande variedade de artigos selecionados que foram publicados na última década.

Nossa reflexão

Os comentários anteriores são um resumo da historia do AA do ponto de vista da PLoS. Como primeira reflexão, salientamos ao leitor que eles completaram 10 anos um mês depois que SciELO completou 15 anos, e as dificuldades que narram de seu empreendimento no país com a maior produção científica do mundo, com 30.000 assinaturas que os respaldaram e instituições com muito dinheiro, não foram diferentes do trabalho pioneiro de SciELO, construído com muito menos lobby, porém com enorme vontade. As dificuldades de SciELO não foram diferentes de outros empreendimentos similares, mas a historia e os resultados nos põe em pé de igualdade com uma das maiores iniciativas de AA no mundo.

Como segunda reflexão, recomendamos ao Programa SciELO e aos editores de seus periódicos que considerem a criação de coleções selecionadas de seus artigos em temas específicos.

——

Na segunda nota deste tema, a ser publicada brevemente, faremos uma incursão pelos documentos das Coleções PLoS sobre Text Mining e Altmetrics.

Notas

¹ O que é PLOS Collections –http://www.ploscollections.org/;jsessionid=7E86FB385236F1DD3425171788D264AB

² PLOS Collections/biology – http://www.ploscollections.org/static/pbioCollections

³ Open Access Collection –http://www.ploscollections.org/article/browse/issue/info%3Adoi%2F10.1371%2Fissue.pcol.v01.i10

⁴ Tenth Anniversary PLOS Biology Collection – http://www.ploscollections.org/article/browse/issue/info%3Adoi%2F10.1371%2Fissue.pcol.v06.i03

⁵ Text Mining Collection – http://www.ploscollections.org/article/browse/issue/info%3Adoi%2F10.1371%2Fissue.pcol.v01.i14

6 Altmetrics Collection – http://www.ploscollections.org/article/browse/issue/info%3Adoi%2F10.1371%2Fissue.pcol.v02.i19

7 The Open Access Movement Grows Up: Taking Stock of a Revolution – http://www.ploscollections.org/article/info%3Adoi%2F10.1371%2Fjournal.pbio.1001686

Referências

ROBERT, R.G., and ALFRED, J. Collection Overview: Ten Years of Wonderful Open Access Science. In Tenth Anniversary PLOS Biology Collection. 2013. Available from: <http://www.ploscollections.org/article/info%3Adoi%2F10.1371%2Fjournal.pbio.1001688>

The Directory of Open Access Repositories – OpenDOAR. OpenDOAR. 2014. Available from: <http://www.opendoar.org/>

Link Externo

PLOS – http://www.plos.org/

 

spinakSobre Ernesto Spinak

Colaborador do SciELO, engenheiro de Sistemas e licenciado en Biblioteconomia, com diploma de Estudos Avançados pela Universitat Oberta de Catalunya e Mestre em “Sociedad de la Información” pela Universidad Oberta de Catalunya, Barcelona – Espanha. Atualmente tem uma empresa de consultoria que atende a 14 instituições do governo e universidades do Uruguai com projetos de informação.

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

SPINAK, E. O que é Public Library of Science Collections? – Parte I [online]. SciELO em Perspectiva, 2014 [viewed ]. Available from: http://blog.scielo.org/blog/2014/06/03/o-que-e-public-library-of-science-collections-parte-i/

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Post Navigation