Evolução do Acesso Aberto – breve histórico

O Movimento do Acesso Aberto remonta a mais de trinta anos. Aqui compilamos uma síntese de seu histórico, destacando acontecimentos relevantes¹.

Conheça a História do Acesso Aberto!

4 de julho de 1971: Lançado o Projeto  Gutenberg  (Gutenberg Project) por Michael Hart

1989: lançada a revista de acesso livre online Psycoloquy por Stevan Harnad, que se tornou revisada por pares em janeiro de 1990.

Agosto de 1989: lançada a revista online de acesso livre The Public-Access Computer Systems Review, por Charles W. Bailey Jr, que se tornou revisada por pares em abril de 1992.

Outubro de 1990: Tim Berners-Lee escreve a proposta de seu primeiro servidor de web (lançado em março de 1991). Em 12 de novembro de 1991 publica “World Wide Web: Proposal for a HyperText Project”, e em 13 de novembro do mesmo ano escreve sua primeira página web.

1991: surge o ArXiv, lançado por  Paul Ginsparg.

Abril de 1991: Lançado o EJournal por Edward M. Jennings.

Setembro de 1990: lançada a revista online revisada por pares e de acesso livre Electronic Journal of Communication.

Setembro de 1990: lançada a revista online revisada por pares e de acesso livre Postmodern Culture, por Eyal Amiran, Greg Dawes, Elaine Orr e John Unsworth.

1991: a revista online de acesso livre Surfaces é lançada por Jean-Claude Guédon.

17 de maio de 1991: os padrões para a World Wide Web são liberados pelo CERN e por Tim Berners-Lee.

Abril de 1993: lançado o Projeto MUSE pela Milton S. Eisenhower Library em parceria com a  Johns Hopkins University Press, nos EUA. O Projeto Muse não é de acesso livre, mas foi pioneiro na distribuição online. Permite a pesquisa de texto completo gratuito e a editora JHU Press permitiu que os autores mantivessem seus direitos autorais.

1994: a Fundação Nacional para a Ciência (National Science Foundation -NSF) e o U.S. Federal Agencies lançam a Digital Libraries Initiative.

27 de Junho de 1994: Stevan Harnad propõe o auto-arquivamento (self-archiving).

Outubro de 1994: Wayne Marr e Michael Jensen lançam a Rede de Pesquisa em Ciências Sociais (The Social Science Research Network -SSRN).

28 de novembro de 1994: a revista impressa Florida Entomologist, lançada em 1917, converte-se em acesso aberto. A partir de abril de 1999, todos os números anteriores até 1917 foram disponibilizados em acesso livre.

1996: lançada a Networked Digital Library of Theses and Dissertations (NDLTD), pela Virginia Polytechnic Institute and State University.

Junho de 1996: Brewster Kahle lança o Internet Archive.

1997: A base Medline, lançada em 1966 pela National Library of Medicine torna-se de acesso aberto, incorporada pelo PubMed.

1997:  Início do desenvolvimento do SciELO (Scientific Electronic Library Online) pelo projeto da FAPESP (Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado de São Paulo) em parceria com a BIREME (Centro Latino-americano de Informação em Ciências da Saúde).

26 de junho de 1997: lançamento do PubMed, incorporando o conteúdo da Medline.

Agosto de  1997: Stevan Harnad lança o CogPrints.

27 de março de  1998: Declaração de São José Rumo à Biblioteca Virtual em Saúde.

Junho de 1998: lançada a SPARC (Scholarly Publishing and Academic Resources Coalition) pela Association of Research Libraries (ARL).

1998: A SciELO (Scientific Electronic Library Online) começa a operar publicamente.

1998 Charles Oppenheim lança o SPARC Europa (Scholarly Publishing and Academic Resources Coalition).

1998: Vitek Tracz funda a primeira editora comercial em Acesso Aberto do mundo: a BioMed Central (BMC).

Outubro de 1998: David Shulenburger propõe o Repositório Nacional Eletrônico de Artigos (The National Electronic Article Repository -NEAR).

1999: o Prêmio Nobel Harold Varmus propõe o E-Biomed.

21-22 de Outubro de 1999: Reunião de Santa Fé (Califórnia), onde foi apresentado e discutido o protótipo do Universal Preprint Service (UPS), que evoluiu para o Open Archives Initiative (OAI).

1999: lançado o OAI (Open Archives Initiative).

01 de julho de 1999: a UNESCO enuncia a Declaração sobre a Ciência e Uso do Conhecimento Científico (Declaration on Science and the Use of Scientific Knowledge) na ICSU World Conference on Science.

22 de outubro de 1999: emitida a Convenção de Santa Fé.

2000: William Arms publica o manuscrito Digital Libraries, definindo o acesso Aberto como os “Recursos que estão acessíveis e disponíveis para os usuários, sem necessidade de autenticação ou de pagamento” (ARMS, 2000).

2000: surge o PubMed Central (PMC) com artigos de texto completo de livre acesso, para complementar o PubMed, de citações  e resumos.

2000: surge a PLoS (Public Library of Science), iniciativa de Harold Varmus, Michael Eisen e Patrick Braun.

Maio de 2000: o CalTech Library System lança a Collection of Open Digital Archives (CODA).

19 de julho de 2000: a  BioMed Central publica seu primeiro artigo online de acesso livre.

29 de setembro de 2000: a Southampton University lança o software de auto-arquivamento Eprints.

15 de janeiro de 2001: Jimmy Wales lança a Wikipedia.

27 de abril de 2001: Declaração de Havana.

Outubro de 2001: lançado o Wayback Machine pelo Internet Archive.

31 de Janeiro de  2002: início da distribuição de conteúdo online aberto pelo HINARI, programa de acesso à pesquisa em saúde da OMS.

14 de fevereiro de 2002: Reunião Budapest Open Access Initiative (BOAI)², definindo a Via Verde (Green Road) e a Via Dourada (Golden Road). A BOAI 2002 também definiu o 1º protocolo de interoperabilidade entre fontes online, o Open Access Initiative-Protocol for Metadata Harvesting (OAI-PMH).

Maio de 2002: lançado o Open Knowledge Network na África.

15 de maio de 2002: Lawrence Lessig lança o Creative Commons.

Agosto de 2002: lançado o Projeto RoMEO (Rights MEtadata for Open archiving)pelo  JISC-FAIR.

Agosto de 2002: lançado o Projeto SHERPA (Securing a Hybrid Environment for Research Preservation and Access) pelo  JISC-FAIR.

Agosto de 2002: lançado o Projeto TARDIS (Targeting Academic Research for Deposit and Disclosure), pelo JISC-FAIR.

23 de agosto de 2002: a IFLA (International Federation of Library Associations and Institutions) publica o IFLA Internet Manifesto, conclamando pela liberdade no acesso à informação (“freedom of access to information“) e pela remoção de barreiras ao fluxo da informação (“barriers to the flow of information“).

Outubro de 2002: Mais de 300 livros da editora University of California Press são disponibilizados gratuitamente online, através de uma parceria da iniciativa eScholarship com a California Digital Library.

4 de novembro de 2002: o MIT (Massachusetts Institute of Technology) lança o software DSpace.

8 de novembro de 2002: o Public Knowledge Project (PKP) lança o  Open Journal Systems (OJS), software livre para a gestão de publicação de revistas.

Fevereiro de 2003: Os Institutos Nacionais de Saúde dos EUA (US National Institutes of Health – NIH) adotam sua Política para o Compartilhamento de Dados (Data Sharing Policy).

Maio de 2003: a versão 1.0 do FEDORA (Flexible Extensible Digital Object and Repository Architecture) é lançada pelas universidades Cornell e Virgínia.

20 de junho de 2003: Declaração de Bethesda – Declaração de Princípios para o Acesso Aberto.

01 de Outubro de 2003: lançado o Open Access Working Group, por um grupo de associações de bibliotecas e organizações de defesa de interesse público.

13 de outubro de 2003: a PLOS (Public Library of Science) lança sua primeira revista de acesso aberto, a PLoS Biology.

22 de outubro de 2003: Declaração de Berlim – ratifica as decisões de Budapeste e Bethesda.

15 de janeiro de 2004: Lançada no Chile a Declaração de Valparaiso para melhorar a comunicação científica em meio eletrônico (Declaration for Improved Scientific Communication in the Electronic Medium).

30 de janeiro de 2004: Representantes ministeriais de 34 países da OCDE (Organização para a Cooperação Econômica e Desenvolvimento) publicam a Declaração sobre o acesso aos dados da investigação financiada por fundos públicos (Declaration on Access to Research Data From Public Funding).

Maio de 2004: é lançado no  8° Congresso Nacional de Bibliotecários Arquivistas e Documentalistas (Estoril, Portugal) a  Declaração do Estoril sobre o Acesso à Informação.

Maio de 2004: Os participantes do 2º Simpósio Internacional de Bibliotecas Digitais (SIBD ) em Campinas, Brasil, emitem uma declaração de apoio ao acesso aberto.

23 de setembro de 2005: os participantes do Seminário Internacional Acesso Aberto para Países em Desenvolvimento, evento organizado pela BIREME/OPAS/OMS paralelo ao 9º Congresso Mundial de Informação em Saúde e Bibliotecas – Compromisso com a Equidade (Salvador, Bahia, Brasil, 20-23 setembro, 2005) emitem a Declaração de Salvador – Compromisso com a Equidade e a Declaração de Salvador sobre Acesso Aberto: Perspectiva do Mundo em Desenvolvimento. A primeira pede aos governos para promover o acesso equitativo e aberto e a segunda pede aos governos para exigir acesso aberto à investigação com financiamento público.

2 de dezembro de 2005: o  IBICT (Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia) emite a Declaração de São Paulo em apoio ao Acesso Aberto.

27 de janeiro de 2006: A Universidade de Nottingham (Reino Unido) e a Universidade Lund  (Suécia) lançam oficialmente o OpenDOAR (Directory of Open Access Repositories).

2006: IFLA e UNESCO lançam o Manifesto Diretrizes sobre a Internet da IFLA / UNESCO

21 de dezembro de 2006. A PLoS (Public Library of Science) lança oficialmente a revista PLoS ONE.

Janeiro de 2007: o Education Resources Information Center (ERIC) dos EUA anuncia um programa para digitalizar 40 milhões de páginas de documentos em microfichas em acesso aberto.

Janeiro de 2007: o Open Access Research emite uma chamada de trabalhos e torna-se a primeira revista em acesso aberto revisada por pares dedicada ao próprio acesso aberto.

Março de 2007: a editora Polimetrica lança um Manifesto do Acesso Aberto, aparentemente o primeiro de uma editora de livros.

Abril de 2007: o JISC e a Universidade de Glasgow lançam o OpenLOCKSS, um novo programa para o projeto LOCKSS (Lots of Copies Keep Stuff Safe) para a preservação de revistas em acesso aberto.

Agosto de 2007: a National Science Foundation (NSF), a PLoS  e o San Diego Supercomputing Center lançam o SciVee (“YouTube para os cientistas”), que transmite vídeos que explicam artigos em acesso aberto.

02 de agosto de 2007: a UNESCO lança a versão final da Declaração de Kronberg sobre o Futuro da Aquisição do Conhecimento e Compartilhamento (Kronberg Declaration on the Future of Knowledge Acquisition and Sharing).

Outubro de 2007: a Social Science Research Network lança oficialmente a Rede de Pesquisa em Humanidades (Humanities Research Network), uma coleção de repositórios em acesso aberto em diferentes campos das ciências humanas.

14 de novembro de 2007: a Agência Nacional Francesa de Pesquisa (Agence Nationale de la Recherche – ANR) adota um mandato para o acesso aberto para as pesquisas que financia.

Dezembro de 2007: Um grupo de pesquisa da Universidade de Granada (Espanha) lança o SCImago, um banco de dados em acesso aberto de periódicos organizados por área e país.

11 de janeiro de 2008: os US National Institutes of Health (NIH) divulgam seu mandato para o acesso aberto.

08 de fevereiro de 2008: A Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD) aprova modelos em acesso aberto para a troca de software e conhecimento.

25 de março de 2008: Richard Crocker lança o Planet e-Book, um novo portal de livros sob domínio público em acesso aberto.

Abril de 2008: Peter Suber e Robin Peek lançam o Open Access Directory.

10 de junho de 2008: o Governo da Comunidade Autónoma de Madrid aprova um mandato do acesso aberto que exige que resultados das pesquisas que financia sejam depositados em qualquer um dos repositórios em acesso livre “e-Ciência” da Espanha.

Outubro de 2008: os participantes da Conferência Open Access and Research 2008 (Brisbane, 24-25 de setembro de 2008) emitem a Declaração de Brisbane.

14 de outubro de 2008: comemora-se o primeiro Dia Internacional de Acesso Livre.

Open Access Week

14 de outubro de 2008: é lançada oficialmente a Open Access Scholarly Publishers Association (OASPA).

19 a 23 de outubro de 2009: comemora-se a primeira Semana Internacional do Acesso aberto (First international Open Access Week).

Janeiro de 2009: os Países Baixos declaram 2009 o Ano do Acesso Aberto.

Fevereiro de 2009: é lançado a NECOBELAC (NEtwork of COllaboration Between Europe and Latin American-Caribbean Countries), uma rede de colaboração entre a Europa e a América Latina e  Caribe para promover o acesso aberto para informações na área de saúde.

Fevereiro de 2009: a Biblioteca Nacional de Ciências da China (National Science Library-NSL) e da Academia Chinesa de Ciências (Chinese Academy of Sciences-CAS) lançam um repositório e adotam um mandato para o acesso aberto.

04 de março de 2009: Representantes de 27 governos africanos e quatro organizações intergovernamentais emitem a Declaração de Kigali sobre o desenvolvimento de uma sociedade da informação equitativa na África, apelando para o acesso equitativo à informação e ao conhecimento, mas não necessariamente em acesso aberto.

Maio de 2009: Peter Murray-Rust, Cameron Neylon e Rufus Pollock, entre outros, formulam os Princípios Panton para dados abertos.

Julho de 2009: o livro mais antigo do mundo, a bíblia Codex Sinaiticus, foi digitalizada. Suas mais de 800 páginas foram reunidas por diferentes museus em quatro países para a nova edição online em acesso aberto.

06 de julho de 2009: o Papa Bento XVI critica o “excesso de zelo para proteger o conhecimento através de uma utilização demasiado rígida do direito de propriedade intelectual, especialmente no campo da saúde”.

26 de agosto de 2009: Internet Archive, Amazon, Microsoft, Yahoo e outros juntam-se para formar a Open Book Alliance.

10 de dezembro de 2009: Elinor Ostrom e Oliver Williamson recebem o Prêmio Nobel em Economia de 2009 por seu trabalho sobre a economia do commons.

Outubro de 2010: acontece a 1ª Conferência Luso-Brasileira sobre Acesso Aberto (CONFOA), em Braga, Portugal.

2011: o senador Rodrigo Rollemberg submete ao Senado Nacional o Projeto de Lei  387/2011 de 05/07/2011, que dispõe sobre o processo de registro e disseminação da produção técnico-científica pelas instituições de educação superior, bem como as unidades de pesquisa no Brasil

Outubro de 2011: acontece a 2ª Conferência Luso-Brasileira sobre Acesso Aberto (CONFOA), no Rio de Janeiro, Brasil.

21 de janeiro de 2012: O matemático Timothy Gowers chama a comunidade científica para um boicote à editora Elsevier, por três razões: os altos preços de assinatura de revistas individuais, pacotes agregando assinaturas de revistas de valor e importância diferentes, e apoio da Elsevier para projetos de lei que restringem o acesso à informação (SOPA, Lei PROTECT IP e o Research Works Act).  A partir de então mais de 13.000 pessoas assinam o documento “O Custo do Conhecimento” (The Cost of Knowledge).

30 de marco de 2012: lançado o Projeto SciELO Books.

Outubro de 2012: acontece a 3ª Conferência Luso-Brasileira sobre Acesso Aberto (CONFOA), em Lisboa, Portugal.

Notas

¹ Para uma visão geral mais detalhada da evolução do Acesso Aberto, acesse a linha do tempo da coleção Open Access Directory:  http://oad.simmons.edu/oadwiki/Timeline

² Para ver a íntegra das declarações de apoio ao Acesso Aberto, consulte a página Declarations in support OA: http://oad.simmons.edu/oadwiki/Declarations_in_support_of_OA

Link externo

International seminar Open Access for developing countriens – http://www.icml9.org/meetings/openaccess/

Referências

ARMS, W. Digital Libraries, 2000. Available from: http://www.cs.cornell.edu/wya/diglib/

 

Sibele FaustoSobre Sibele Fausto

Colaboradora do SciELO, pós-graduanda em Ciência da Informação na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (PPGCI-ECA-USP), especialista em Informação em Ciências da Saúde pela Universidade Federal de São Paulo em parceria com o Centro Latino-Americano de Informação em Ciências da Saúde (UNIFESP-BIREME-OPAS-OMS), é bibliotecária do Departamento Técnico do Sistema Integrado de Bibliotecas da Universidade de São Paulo (DT-SIBi-USP).

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

FAUSTO, S. Evolução do Acesso Aberto – breve histórico [online]. SciELO em Perspectiva, 2013 [viewed ]. Available from: http://blog.scielo.org/blog/2013/10/21/evolucao-do-acesso-aberto-breve-historico/

 

5 Thoughts on “Evolução do Acesso Aberto – breve histórico

  1. Pingback: Evolução do Acesso Aberto – breve histórico | Biologia na Web

  2. Pingback: #104: Acesso Aberto | SciCast

  3. Pingback: #104: Acesso Aberto | Podflix

  4. Pingback: Comunicação científica: breve reflexão | múltiplos olhares para informação

  5. Pingback: Scicast #104: Acesso Aberto – Podflix - #SciCast - Podcast

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Post Navigation